MunicípiosSLIDE

Trabalhadores da educação paralisam serviços em Teotônio Vilela

Com ato público e caminhada, até a Secretaria Municipal de Educação, a categoria cobrou responsabilidade da gestão municipal e cumprimento do acordo. 13/09/2018

Trabalhadores da educação do município de Teotônio Vilela realizaram uma paralisação nesta quinta-feira (13). Isso aconteceu porque a Prefeitura quebrou o acordo firmado com a categoria em maio. Com ato público e caminhada, até a Secretaria Municipal de Educação, a categoria cobrou responsabilidade da gestão municipal e cumprimento do acordo.

A campanha salarial foi encerrada após o gestor assumir o compromisso de pagar, além do reajuste salarial de 6,81%, a implantação das mudanças de classe e de nível, ambas com retroativos, e o pagamento das gratificações por desempenho (ADI). O reajuste foi implantado, mas todos os outros pontos deveriam ser concluídos em um prazo de três meses, encerrando todo o processo de negociação em agosto.

Como o acordado não foi cumprido, a categoria enviou ofícios cobrando e realizou um dia de luta e paralisação. O que fez a secretária de educação receber uma comissão de representantes do Sinteal e da base, para dialogar sobre as reivindicações.

A secretária apresentou a proposta de parcelar mais uma vez, esticando o prazo por três meses, mais uma vez. A categoria recusou e apresentou a contraproposta de que tudo seja pago ainda em setembro. Ficou acordado então que será realizado um estudo de impacto na folha de pagamento do município e na próxima quarta-feira (19), haverá uma nova reunião para apresentação da proposta da prefeitura à comissão de trabalhadoras.

Consuelo Correia, presidenta do Sinteal, criticou a falta de reconhecimento do gestor com os profissionais da educação. “Esse município teve uma boa nota no Ideb, e isso é mérito dos trabalhadores e trabalhadoras que estão na escola.

Tanto o professor quanto o vigia, a merendeira, os companheiros do serviços diversos e administrativos têm papel fundamental na educação das nossas crianças. E se teve bom desempenho, é porque essa equipe trabalhou bem. Por que o gestor não reconhece isso? O gestor deveria valorizar sempre, ao invés de ficar descumprindo acordos com a categoria”, concluiu.

O Sinteal marcou uma assembleia geral para a quinta-feira (20), para avaliar o resultado da reunião de quarta e encaminhamento de próximos passos.

Fonte: Tribuna Hoje/ Sinteal

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar