Politica

Mais da metade dos vereadores de Mata Grande são afastados após desvio milionário

05/12/2018 | 09:17 | Redação

Foto: Imagem Google

Uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), pertencente ao Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) nas primeiras horas desta quarta-feira (5) afastou seis dos 11 vereadores do município de Mata Grande, sendo eles Joseval Antônio da Costa, José Jorge Malta Amaral, Josivânia Cordeiro Freitas de Oliveira, Dalvino Orlando de Alencar Ferraz, George Ângeles Alencar Tenório Cavalcante e Diana Gomes Brandão Malta.

 

De acordo com as investigações, além dos vereadores, os ex-parlamentares Erick Oliveira da Silva, Veroneide Melo Brandão, João Sérgio Oliveira Pereira e Tiara Lou de Sousa também estariam envolvidos no esquema e ficam proibidos de ocupar cargos públicos futuramente. No total, a denúncia foi realizada contra 20 pessoas.

Também foram alvo da denúncia Gerson Klayton da Silva e Eustáquio Chaves da Silva Sobrinho, ambos ex-diretores executivos da Câmara Municipal de Mata Grande, Antônio José Bento de Melo, proprietário da empresa AJBM – Assessoria Técnica em Contabilidade em Administração Pública, Karl Andherson Barbosa da Silva, ex-controlador interno da Câmara de Vereadores, Vivian Climéria Ataíde Ramalho, sócia-proprietária da empresa Transloc – Locação de Máquinas Pesadas & Serviços LTDA, Hermenegildo Ramalho Mota, controlador dessa mesma empresa, Diogo Medeiros de Barros Lima, controlador da empresa Alif Ferreira da Silva, Thiago Carneiro da Cunha França, proprietário da empresa Thiago Carneiro da Cunha França – MEI e Eusébio Vieira de França Neto, proprietário da empresa E.P. Transporte e Serviços LTDA.

O esquema

Há mais de seis meses o Gaeco investiga o desvio de recursos públicos na Prefeitura e na Câmara Municipal de Mata Grande. Os promotores de justiça conseguiram obter acesso aos detalhes do esquema após um acordo de colaboração premiada. O colaborador relatou como funcionava a distribuição ilícita de dinheiro público entre os vereadores por meio de contratos fraudulentos com empresas locadoras de veículos. E tudo isso ocorreu no período em que José Júlio Gomes Brandão ocupou o cargo de presidente do Legislativo, entre janeiro de 2013 e dezembro de 2016.

Fonte: Alagoas 24 horas

 

 

 

 

 

 

 

Facebook Comments

Artigos relacionados

Fechar