Mundo

Caixas-pretas de avião que caiu na Etiópia são recuperadas

11/03/19 | 10h44

O acidente deixou 157 mortos | Reuters

A companhia Ethiopian Arlines anunciou nesta segunda-feira (11) que foram recuperadas as duas caixas-pretas de seu Boeing 737 MAX 8 que caiu no domingo (10) ao sudeste de Adis Abeba. O acidente deixou 157 mortos. Uma caixa-preta guarda os dados técnicos do voo e a outra registra as conversas da cabine. 

O voo ET 302 deixou o aeroporto de Bole, em Adis Abeba, às 8h38 de domingo, horário local, rumo a Nairóbi (Quênia). O avião perdeu contato com a torre de controle seis minutos depois, às 8h44. O piloto relatou dificuldades e pediu permissão para retornar.

“Dados da rede Flightradar24 ADS-B mostram que a velocidade vertical ficou instável depois da decolagem”, informou a organização de rastreamento de voos baseada na Suécia em seu Twitter. O avião caiu perto da cidade de Bishoftu, a 62 quilômetros a sudeste da capital da Etiópia, Adis Abeba. Não houve sobreviventes. 

Havia 149 passageiros e oito tripulantes a bordo. Cidadãos de 35 nacionalidades se encontravam na aeronave, entre os quais 32 quenianos, 18 canadenses, nove etíopes, oito italianos, oito norte-americanos e oito chineses.

 

A aeronave era um Boeing 737 MAX 8, o mesmo avião que caiu na Indonésia em outubro de 2018, matando 189 pessoas, no que foi o primeiro acidente com este modelo. O Boeing 737 MAX 8 tem 210 assentos. É a última versão das aeronaves da família 737, o avião comercial mais vendido do mundo e um dos mais confiáveis da indústria. Em relação a modelos anteriores, o MAX 8 usa o combustível de maneira mais eficiente e faz menos barulho. Seu primeiro voo foi em janeiro de 2016.

Até janeiro deste ano, o site da fabricante registrava mais de 5.000 pedidos do modelo, realizados por companhias aéreas como Air China e Aerolineas Argentinas.Trezentos e cinquenta aeronaves já foram entregues. O MAX 8 é usado sobretudo para voos de curta e média distância. 

No Brasil, apenas a Gol utiliza esse modelo e possui sete unidades em operação. A empresa encomendou ao todo 135 aeronaves do modelo, com entrega prevista até 2028. 
Nesta segunda (11), China e Indonésia ordenaram às empresas aéreas que deixem de voar com este modelo de aeronave até segunda ordem.  

Fonte: TNH1  

 

 

 

 

 

Facebook Comments

Artigos relacionados

Fechar