Brasil

ESTUDANTES TOMAM AS RUAS DO BRASIL E WEINTRAUB, O MINISTRO DA IGNORÂNCIA, É VAIADO NA CÂMARA

Nesta histórica quarta-feira 15, mais de 1 milhão de pessoas foram ou estão nas ruas do País em manifestações em defesa da Educação; protestos ocorreram em mais de 160 cidades, incluindo as 27 capitais; enquanto isso, na Câmara, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, colocou a culpa do corte de gastos da Educação na presidente Dilma Rousseff, que há três anos deixou o poder por meio de um golpe; "O sonho das pessoas é colocar os filhos na educação privada, não na pública", disse o ministro, sendo vaiado pela oposição | 15 DE MAIO DE 2019 | ÀS 18:12

Foto: Brasil 247

247 – Nesta quarta-feira (15) histórica para o País, em que estudantes, professores e trabalhadores da Educação tomaram as ruas de todas as capitais do País e em mais de 100 cidades em protestos contra a política de desmonte da educação pública, promovida pelo governo de Jair Bolsonaro, o seu ministro da Educação, Abraham Weintraub, é vaiado durante audiência na Câmara dos Deputados. 

Weintraub insistiu em vários momentos que muitos brasileiros não sabem ler ou fazer interpretações. “A gente consegue dizer que hoje o Brasil é uma nação de pessoas que conseguem ler o ônibus que está vindo”, declarou. “As nossas crianças não aprendem a ler na escola. A gente tem um índice muito grande de onda de fracasso”, acrescentou.

O ministro teve de desfaçatez de atribuir à presidente deposta Dilma Rousseff a responsabilidade pelo contingenciamento de recursos que está paralisando a pesquisa e o ensino superior no País. “O orçamento atual foi feito pelo governo eleito Dilma Rousseff e Michel Temer, que era vice. Nós não votamos neles. Não somos responsáveis pelo desastre da educação brasileira. O sonho das pessoas é colocar os filhos na educação privada, não na pública”, declarou, recebendo vaias da oposição na Câmara. 

Leia, abaixo, reportagem da Rede Brasil Atual sobre as manifestações que tomaram o País nesta quarta-feira (15):

Mais de 1 milhão de pessoas participam de mobilizações em defesa da educação

O Dia Nacional de Greve na Educação contra o corte de 30% do orçamento federal da área mobilizou mais de 1 milhão de pessoas em manifestações em cidades de todos os estados e no distrito federal, apenas na manhã desta quarta-feira (15), segundo balanço dos organizadores. Os protestos seguem no período da tarde.

A iniciativa do governo Bolsonaro revoltou professores, pesquisadores, trabalhadores e estudantes de escolas públicas, universidades e institutos federais. “As medidas do governo Bolsonaro são um ataque aos municípios, aos estados, à população. Sem investimento na educação não há desenvolvimento”, afirmou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo.

O corte atinge as verbas discricionárias, utilizadas para pagamento de despesas de funcionamento, serviços terceirizados, restaurantes universitários, água, energia, internet, entre outras. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) teve de bloquear 4.798 bolsas de pesquisa. Após muita pressão de pesquisadores e cientistas, 1.224 bolsas foram liberadas. Em visita a Dallas, nos Estados Unidos, Bolsonaro declarou que os manifestantes são “idiotas úteis” e “massa de manobra”.

“Ao chamar o educador de um ‘idiota útil’, o presidente mostra o quanto ele desrespeita a profissão que é responsável por formar os demais profissionais e não tem noção do papel desta categoria na formação dos brasileiros”, afirmou Araújo. A pauta de reivindicações da mobilização também inclui o fim do patrulhamento ideológico nas universidades, dos sucessivos cortes nas políticas educacionais e da ameaça de acabar com a vinculação constitucional que assegura recursos para a educação, defendida pelo ministro da Economia Paulo Guedes. Os atos pacíficos também são uma prévia para a greve geral dos trabalhadores contra a reforma da previdência, marcada para o dia 14 de junho.

Segundo a CNTE, mais de 50 mil educadores e estudantes estão protestando na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Em Curitiba, pelo menos 20 mil estudantes e trabalhadores em educação tomaram as ruas em defesa da educação. Em Belo Horizonte, são cerca de 250 mil manifestantes. Na Bahia, a estimativa é que há 50 mil pessoas participando do ato em Salvador. Além de manifestações em todas as capitais, há registro de protestos em 122 cidades desde o início da manhã.

No estado de São Paulo, por exemplo, houve manifestações de estudantes secundaristas na região da Avenida Paulista – palco da manifestação da tarde – e na USP e está programada uma grande manifestação para o período da tarde, com concentração às 14h. Também houve protestos em Campinas, Sorocaba, Santos Bauru, Araraquara, Rio Claro, São Carlos e Boituva. Ainda no interior, estudantes da USP e da Unesp fizeram atos em Ribeirão Preto, Jaboticabal e Presidente Prudente. Em Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba e Suzano, na região metropolitana, também houve atos de docentes e alunos.

No Rio de Janeiro, a capital registrou protestos no Colégio Pedro II, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Universidade Estadual da Zona Oeste (Uezo) e na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Também houve atos em Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. Em Fortaleza, no Ceará, estudantes de instituições federais bloquearam a Avenida da Universidade. Juazeiro do Norte, Tauá, Crato, Sobral Cedro, Iguatu, Canindé, Crateús, Quixadá e outras cidades do interior do estado também tiveram mobilização de estudantes e professores.

Fonte: Brasil 247

Facebook Comments

Artigos relacionados

Fechar