Home Alagoas Juiz diz que ausência de delegado no Rei Pelé impediu registro de ocorrências

Juiz diz que ausência de delegado no Rei Pelé impediu registro de ocorrências

Por ABN - ALAGOAS BRASIL NOTICIAS

O juiz Celyrio Adamastor Accioly, titular do Juizado do Torcedor, afirmou nesta segunda-feira (09) que não havia delegado da Polícia Civil ontem, no Estádio Rei Pelé, durante a partiRei pele estadioda final do Campeonato Alagoano.

Por conta disso, segundo a Justiça, não foi realizado nenhum Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) no local, mesmo com a sessão de “pancadaria” registrada após a partida entre CSA x CRB.

Com a ausência, nenhum TCO foi encaminhado ao juiz plantonista que atuava no Juizado, John Silas da Silva e, dessa forma, o magistrado não pôde julgar e sentenciar de imediato nenhum dos envolvidos.

A punição imediata dos torcedores que se envolveram em confusões durante os jogos do campeonato vinha acontecendo normalmente em dias de jogo, desde a implantação do Juizado do Torcedor.

Ontem, os presos no local foram levados pela Polícia Militar para a Central de Flagrantes e não retornaram.

A assessoria da Polícia Civil informou que durante os plantões de final de semana a Central de Flagrantes conta com dois delegados e em dias de jogo, um deles se desloca para o estádio, contudo, devido a greve dos policiais não foi possível realizar o deslocamento. Com isso, o delegado plantonista teria informado a ausência por telefone, ao juiz John Silas, e informou que as ocorrências registradas no estádio deveriam ser encaminhadas para a Central de Flagrantes. 

O juiz John Silas oficiou a Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Civil para que os infratores sejam reconhecidos com base nas imagens registradas e sejam abertos procedimentos criminais.

E o juiz Celyrio Adamastor determinou na manhã desta segunda que seja oficiado o Comando do Policiamento da Capital (CPC), para que envie informações detalhadas sobre as ocorrências do evento. As informações serão remetidas ao Ministério Público Estadual, a quem cabe provocar o Poder Judiciário com vistas à responsabilização criminal.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário