Anadia/AL

27 de julho de 2021

Anadia/AL, 27 de julho de 2021

Juiz determina novo afastamento de prefeito

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 20 de junho de 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
jonh silas

José Rogério Cavalcante Farias é acusado de irregularidades no repasse de valores ao Instituto de Previdência do Município.

jonh silas

O juiz John Silas da Silva determinou, nesta segunda-feira (20), o afastamento do prefeito de Barra de Santo Antônio, José Rogério Cavalcante Farias, pelo prazo de 180 dias. O gestor, acusado de irregularidades no repasse de valores ao Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do município (Barra Prev), teve ainda os bens declarados indisponíveis.

As medidas atingem também o filho do prefeito e atual secretário de finanças do município, José Rogério Cavalcante Farias Filho. No processo, são citados ainda Simony de Fátima Bianor Farias (ex-secretária de Saúde); André Luiz Coimbra de Medeiros (ex-secretário de Finanças); Maria Quitéria Ferreira da Silva e Tânia Maria Sales (ex-secretárias de Educação); Aline Regina dos Santos Martins (ex-secretária de Administração) e Ronaldo José Lessa Campos (ex-secretário de Assistência Social).

“Analisando os autos, apontadas estão diversas irregularidades na condução da gestão do sistema de previdência dos servidores do Município de Barra de Santo Antônio. A petição inicial traz em seu bojo dados alarmantes e apresenta, ao final, um prejuízo de R$ 6.297,488,30. Valores esses que foram descontados dos servidores e não repassados ao Instituto, além de descontos efetuados aos aposentados sob a forma de empréstimos de consignação e não repassados aos bancos credores, caracterizando uma apropriação indébita e consequentemente trazendo consigo uma gama de sanções previstas tanto na Lei de Improbidade como no Código Penal”, destacou o juiz John Silas.

Ainda segundo o magistrado, que responde pela Comarca de Paripueira, o afastamento se faz necessário para que a higidez probatória não fique comprometida. “O afastamento do cargo serve também para evitar intimidações de outros servidores que podem ser ouvidos nos autos”, explicou.

Para John Silas, o gestor tem a obrigação e o dever de zelar pelo dinheiro público. “E não é o que se apresenta na presente petição, ao contrário, a res pública está sendo olvidada, esvaziada, e aqueles que dela dependem estão a sofrer por uma má administração que deve ser mantida afastada para que um novo gestor, com novos olhos e com preponderância em cuidar dos seus munícipes, possa gerir, administrar, controlar e colocar as contas do município em ordem”.

Outros processos

No último domingo (19), o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), desembargador Washington Luiz Damasceno Freitas, suspendeu afastamentos de José Rogério Cavalcante Farias, que haviam sido determinados em outros três processos. Nessas ações, o prefeito foi acusado de apropriação ilícita das receitas do Fundeb e de irregularidades em procedimentos licitatórios.

De acordo com o desembargador, a medida de afastamento cautelar do agente público de seu cargo, emprego ou função, sem prejuízo de sua remuneração, é excepcional e requer indicação específica quanto à necessidade da medida para o deslinde da questão na sua fase processual. “Não se trata de desprestigiar a decisão recorrida no que tange aos supostos atos de improbidade que estão sendo objeto de apreciação pelo Juízo Originário, os quais deverão, sim, ser devidamente investigados e, acaso procedente o pleito, deverá o requerente responder por tais atos. Mas o caso em debate se trata unicamente do seu liminar afastamento, sem ter sido oportunizada a ampla defesa e o contraditório, bem como ausentes provas de embaraços à instrução do feito, o que caracterizaria verdadeira antecipação de pena por fatos que sequer tiveram sua averiguação findada”, explicou.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter