Home NotíciasPolitica Aliados de Cunha apostam em votação de cassação só em novembro

Aliados de Cunha apostam em votação de cassação só em novembro

Por Alagoas Brasil Noticias

imgpresidente Rodrigo Maia (DEM) cedeu às pressões e agendou a análise do caso para 12 de setembro.

 

Aliados do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) apostam que a votação de seu processo de cassação pelo plenário da Câmara vai atrasar ainda mais e ser empurrada para depois das eleições de outubro.

O novo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cedeu às pressões de aliados do peemedebista eagendou a análise do caso para 12 de setembro, uma segunda-feira, a 20 dias do primeiro turno das eleições municipais.

Com o tradicional esvaziamento do Congresso Nacional nos meses que antecedem as eleições, porém, a avaliação não só de aliados de Cunha é a de que haverá grande dificuldade para se reunir um quorum expressivo no dia 12. Além da proximidade com as eleições, as segundas-feiras são dias em que raramente há presença substantiva de deputados em Brasília.

Questionado pela Folha nesta quinta (11), Maia assegurou que haverá mais de 400 deputados no plenário na ocasião –a Câmara tem 513 cadeiras. Não respondeu, porém, se pensa em adiar a votação caso essa previsão de quorum não se confirme.

Uma sessão esvaziada beneficia Cunha, já que sua cassação só será aprovada com o voto de pelo menos 257 de seus 512 colegas. Ausências e abstenções, portanto, contam a seu favor.

Um dos mais fiéis aliados de Cunha, Paulinho da Força (SD-SP) comemorou a data escolhida por Maia.

Para ele, por ser um período tradicionalmente vazio, os próprios adversários do deputado afastado se verão obrigados a pedir o adiamento da votação.

“Não somos nós que vamos lutar para não votar no dia 12 [de setembro]. Os próprios que querem ver Cunha cassado não vão querer votar quando virem que não haverá quorum”, afirmou.

“Estamos cada um no seu Estado cuidado de eleições. É um período em que a Casa não tem controle sobre a frequência dos parlamentares”, disse o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), outro dos fiéis escudeiros do peemedebista.

A ideia dos aliados é jogar a análise para novembro, aumentando assim a sobrevida de Cunha e a chance de que ele escape da cassação.

Mesmo afastado, ele continua recebendo salário, verba para contratação de assessores e moradia funcional.

O ex-presidente da Câmara responde a duas ações penais no Supremo Tribunal Federal e a outras investigações sob a acusação de participar da corrupção na Petrobras.

Afastado do cargo e do mandato em 5 de maio, ele renunciou em julho à presidência da Câmara.

‘CAFUNÉ’

Adversários de Cunha criticaram a data escolhida por Maia. Júlio Delgado (PSB-MG) afirmou que será “responsabilidade do presidente” fazer com que os deputados compareçam à sessão.

Com a ajuda de outros deputados, ele pretende pressionar Maia a antecipar a data de votação, mas as chances são pequenas. O chamado “centrão”, que apoia Cunha, e partidos como o PSDB e o DEM concordaram com a data definida por Maia.

O líder da Rede, Alessandro Molon (RJ), afirma que pretende apresentar no próximo dia 22, quando a Câmara volta a se reunir, um requerimento para tentar antecipar a votação.

“É inaceitável [a data] 12 de setembro, menos de 20 dias antes das eleições, pode não ter quorum”, disse.

“É uma data que tem tudo para não dar certo, seja porque é uma segunda-feira, seja pela proximidade com a eleição. Parece que a Casa não quer cassar.”

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) chamou a decisão de “nebulosa”. “Voltou a etapa do cafuné no Cunha.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário