Home NotíciasEducação Estudantes da Ufal ocupam Reitoria por tempo indeterminado

Estudantes da Ufal ocupam Reitoria por tempo indeterminado

Por Alagoas Brasil Noticias
Mais de cem estudantes participam da ocupação

educacao

Mais de cem estudantes do Campus A. C. Simões acabam de ocupar o gabinete da reitoria da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) por tempo indeterminado. Com esta iniciativa eles se juntam às mais de mil instituições de ensino que resistem à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 a partir da ocupação por movimentos estudantis organizados.

Em nota publicada no final da tarde de hoje (25), a reitora Maria Valéria Correia já havia manifestado posicionamento da gestão contra a referida PEC. Assim que o gabinete foi ocupado, ela se dirigiu aos alunos reafirmando o compromisso de não criminalizar o movimento estudantil e se colocando à disposição para discutir a situação financeira da universidade. Por meio de uma negociação pacífica, retirou-se do gabinete e designou representantes da administração central da instituição para fazerem a interlocução com os alunos. 

Correia fez uma análise geral sobre os impactos da PEC nos serviços públicos e reforçou que a medida terá um forte rebatimento na precarização das universidades, uma vez que o contingente anunciado girará em torno de 6,74% das verbas. “Trata-se de uma afronta aos direitos sociais duramente conquistados pela população brasileira, por isso muito nos preocupa esses ataques catastróficos à educação pública”, frisou.  

A deliberação do movimento estudantil do campus da Ufal em Maceió ocorreu após assembleia realizada na tarde de hoje. Lysanne Ferro e Rafaela Maria, estudantes do curso de Comunicação Social, explicaram que se trata de um movimento independente e que a intenção do coletivo é somar forças junto às outras instituições de ensino brasileiras em defesa da educação pública. 

André Ferro, que é estudante do curso de Direito, disse que, diferente dos movimentos que decidiram por ocupar outros espaços do campus, este se destaca por ser o prédio da reitoria representativo do poder central da universidade. “Nosso objetivo é colocar o movimento estudantil como foco de resistência e criar um comando para articulação nacional, para então definir quais serão as próximas estratégias a serem adotadas”, salientou  

Além do gabinete da reitoria, as sedes dos campi do Sertão e Arapiraca e a unidade de Palmeira dos Índios encontram-se ocupados.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário