Home Alagoas Acusado de matar modelo é condenado a 32 anos e oito meses de prisão

Acusado de matar modelo é condenado a 32 anos e oito meses de prisão

Por Alagoas Brasil Noticias

Judarley Leite terá ainda que pagar indenização de R$ 20.000,00 à família de Eric Ferraz e R$ 10.000,00 à vítima sobrevivente Erica Ferreira.

erikO réu Judarley Leite de Oliveira foi condenado, nesta quarta-feira (9), a 32 anos e oito meses de reclusão, a cumprir em regime inicialmente fechado, pelo homicídio duplamente qualificado do modelo Eric Ferraz e pela tentativa de homicídio simples de Erica Ferreira da Silva, atingida por um dos disparos durante a confusão. Os jurados não acolheram a tese de legítima defesa apresentada pelos advogados. O réu não poderá recorrer em liberdade.

Eric Ferraz foi baleado após desentendimento com os irmãos Judarley e Jaysley Leite de Oliveira em uma festa de Réveillon, no município de Viçosa, no dia 1º de janeiro de 2012. Durante a confusão, Erica Ferreira também foi atingida, mas sobreviveu.

O júri foi conduzido pelo magistrado John Silas da Silva, titular da 8ª Vara Criminal da Capital. Após aplicar a pena, o magistrado determinou que o réu pague uma indenização civil, por danos morais, de R$ 20.000,00 para a família de Eric Ferraz e R$ 10.000,00 para a vítima sobrevivente.

“Esperamos que o senhor não volte a cometer nenhum outro crime e que continue trabalhando no sistema prisional durante sua pena para que, no futuro, possa voltar a conviver com a sociedade. Peço a sua família que não o abandone durante esse tempo, mas houve um crime e ele deve ser penalizado”, disse o juiz.

Edglemes Santos, pai de Eric Ferraz, destacou que valeu a pena acreditar na Justiça. “Esse resultado vai acalentar um pouco os nossos corações, agora a luta continua ainda porque tem o irmão. Graças a Deus houve Justiça, eu acredito na Justiça do meu país, em especial na de Alagoas, que está de parabéns. E graças a imprensa que de uma forma ou de outra colaborou para o dia de hoje. Hoje vou dormir mais aliviado porque a Justiça foi feita”, afirmou.

“Essa pena não vai trazer o filho de vocês de volta, mas é um simbolismo de que ninguém deve cometer crimes”, afirmou John Silas para os familiares da vítima ao ler a sentença.

Debates da acusação e defesa
Durante os debates da noite, o promotor de Justiça Antônio Vilas Boas explicou aos jurados que a legítima defesa não tem, por fim, punir, mas prevenir uma ação. Para o promotor, as atitudes de Judarley foram inconsequentes, principalmente por estar armado em festa pública.

“A defesa não trouxe uma prova se quer que ele [Eric] levantou uma garrafa para agredi-lo. A tese de legítima defesa para ser acolhida precisa ser provada e a prova é ônus do réu. A prova tem que ser induvidosa, não basta a simples alegação do réu”, disse o promotor.

Para o assistente de acusação, Raimundo Palmeira, a defesa apresentou incoerências ao alegar legítima defesa do acusado. “A legítima defesa exige a moderação nos usos dos meios, estamos julgando Judarley que confessa que deu cinco tiros, alguns deles pelas costas”, afirmou.

Já o advogado Vilaça Neto afirmou que a defesa seguiu a mesma linha dos depoimentos, que não foi a garrafa que criou a tese de defesa de Judarley, mas sim o grito de uma das testemunhas de que “ele estava armado” que teria feito o réu acreditar que Eric Ferraz estava armado.

“As testemunhas de acusação deixaram claro a versão do réu de que houve o grito. Isso é uma prova presente no processo desde o início”, disse. Na oportunidade, Vilaça Neto leu depoimentos de testemunhas afirmando que a vítima teria sido avisada de que o réu estava armado antes de ir tomar satisfação.

O outro advogado de defesa, Welton Roberto também reforçou a alegação de legítima defesa. “Temos uma vítima sim e nenhum momento queremos desrespeitar o Eric. No entanto, Judarley achou que estava correndo risco porque pensou que a vítima estava armada e ele já tinha dado um soco nele antes. Nossa missão é mostrar a visão do réu de como e porque aconteceram os fatos”, completou.

Welton Roberto contestou ainda a acusação de tentativa de homicídio de Érica Ferreira da Silva. “O réu confessa os disparos, mas afirma que foram todos em direção ao Eric”, disse.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário