Anadia/AL

22 de outubro de 2021

Anadia/AL, 22 de outubro de 2021

Paulo Nobre admite possibilidade de comprar arena do Palmeiras

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de novembro de 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
art

 

art

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, admite que pode ajudar a viabilizar a compra da arena caso a construtora WTorre, responsável pelo estádio, queira vendê-la.

Em entrevista à rádio “Jovem Pan”, neste domingo, o dirigente disse que não teria condições de adquirir sozinhoo estádio, mas afirmou que a operação seria possível com “amigos do mercado financeiro”.

– Eu queria ter o tamanho que as pessoas acham que eu tenho. Se tivesse, com certeza eu já teria comprado. Meu tamanho não é esse. Não tenho condições. É claro que isso passa muito pela parceira. Se eles realmente se propuserem a vender, eu posso tentar, junto a amigos domercado financeiro, criar alguma operação para tentar viabilizar. 

Paulo Nobre ainda brincou, lembrando que os próprios torcedores poderiam ajudar a viabilizar a negociação.

– Olha, o palmeirense é tão engajado, mas tão engajado, que eu acho que se fosse para fazer alguma coisa, eu não duvido que o número chegasse a centenas de milhares de palmeirenses que contribuiriam de alguma maneira para que a arena voltasse a ser somente nossa. Mas, mais uma vez, isso precisa passar pela parceira que tem os direitos. Até hoje, a sério, eu nunca ouvi ela dizer que quer se desfazer do investimento. Então, tudo isso não passa de especulação – afirmou o dirigente, que, em nenhum momento, disse o nome “WTorre” (ele se refere à empresa como “a parceira”).

Pelo contrato firmado entre Palmeiras e WTorre, a construtora administra o estádio (inaugurado em 2014) e todas as suas receitas por 30 anos, com a participação do Verdão nos lucros aumentando com o passar do tempo. Ao fim do contrato de três décadas, o estádio passaria a ser do clube. Na entrevista à Jovem Pan, Paulo Nobre admitiu pela primeira vez a possibilidade de antecipar esse processo, comprando o estádio.

Questionado se o valor seria de R$ 600 milhões e também sobre os problemas de relacionamento entre WTorre e alguns fornecedores, Paulo Nobre respondeu:

– Bom, a gente temde se debruçar para saber se os números são corretos ou não. Mas acho que eu demonstrar que poderia tentar, junto a várias outras pessoas, alguma ideia de readquirir a arena não mudaria nada os planos da parceira. Talvez existam outros interessados se eles quiserem vender. De qualquer maneira, é muita especulação sobre esse assunto. Tem que partir primeiro de quem tem os direitos a vontade de vender. Acho muito difícil que o mercado pague um ágio. Ou seja, se pagaria o preço justo. E para se fazer uma análise de preço justo precisaria a parceira querer vender porque se não for para ganhar dinheiro com a venda, ela talvez não tenha interesse – disse o dirigente.

– Com relação afornecedores estarem insatisfeitos (ele faz uma pequena pausa e ri)… Eu acho antiético comentar… É… De repente, até o Palmeiras está nessa fila de insatisfeitos. É uma relação que eles entendem que o Palmeiras deve a eles, e nós entendemos que eles nos devem. Por exemplo, os jogos que somos obrigados a jogar fora, nós os cobramos. Mas aí eles alegam que nós devemos a eles isso e aquilo. Respeitamos, eles têm os pontos de vistas deles. Mas realmente é difícil de receber – completou.  

A relação entre clube e construtora é problemática. Desde 2014, quando a arena foi inaugurada, as partes estão em constantes divergências. Recentemente, a empresa instalou uma câmera no camarote da diretoria do Verdão depois que Paulo Nobre discutiu com convidados de uma empresa (torcedores do Flamengo), durante jogo disputado em setembro. Isso irritou o presidente. Como em dia de jogos a operação da arena fica a cargo do clube, a diretoria manda obstruir a câmera.

Outro ponto que gera muita controvérsia é a quantidade de shows realizados no estádio, o que danifica o gramado. Jogadores e comissão técnica se queixam constantemente da qualidade do campo.

Vale lembrar que Paulo Nobre já bancou a contratação de jogadores do próprio bolso, tem ajudado a custear a reforma da Academia de Futebol (criando um hotel que servirá de concentração para os jogadores no centro de treinamento) e tem disponibilizado seus dois jatos particulares para transportar atletas a serviço de seleções (já fez isso com Gabriel Jesus e Yerry Mina).
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter