Home NotíciasPolitica Escândalo: Governador filho de Renan bancou ato Fora Temer em São Paulo com dinheiro público

Escândalo: Governador filho de Renan bancou ato Fora Temer em São Paulo com dinheiro público

Por Alagoas Brasil Noticias

Dilma Rousseff, governador de Alagoas Renan Filho, senador Renan Calheiros.

filho-de-renan-calheiros-tambc3a9m-c3a9-alvo-dos-procuradores-da-lava-jato

Mais um escândalo envolvendo o nome do presidente do Senado Renan Calheiros. Segundo informações obtidas pelo Diário do Poder, se descobriu que o governo de Alagoas usou dinheiro público para bancar a ida de militantes de extrema-esquerda para São Paulo, onde realizaram um ato contra o impeachment de Dilma Rousseff. O governador de Alagoas é Renan Filho, filho do senador Calheiros.

Segundo a publicação, a Secretária de Esportes, Lazer e Juventude desembolsou cerca de R$ 11 mil para que servidores comissionados participassem da realização de um evento da União da Juventude Socialista (a UJS). A UJS é um dos movimentos de extrema-esquerda por trás das violentas manifestações contra o governo e de algumas invasões de universidades. O gasto está registrado no portal de transparência do governo de Alagoas.

Quem autorizou oficialmente os gastos foi a Secretária Cláudia Petuba. Filiada ao Partido Comunista do Brasil, Cláudia já foi presidente da UNE no estado de Alagoas e diretora nacional da entidade. Não é a única relação de Calheiros com o PCdoB. Seu irmão Remildo foi prefeito de Olinda pelo partido. Atualmente, Remildo tenta aproximar os comunistas do governo Michel Temer com o apoio do irmão senador.

Este episódio se soma as várias tentativas de Renan Calheiros em constranger o governo. Contrário ao impeachment de Dilma Rousseff, ele sempre articulou contra o impeachment e contra o governo de Michel Temer nos bastidores. Seu ato mais ousado até então foi o golpe que manteve os direitos políticos de Dilma Rousseff após a cassação do mandato, que foi articulado junto com senadores como Katia Abreu, Vanessa Grazziotin, Gleisi Hoffmann e Randolfe Rodrigues, além do apoio do ex-presidente do STF Ricardo Lewandowski.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário