Anadia/AL

22 de outubro de 2021

Anadia/AL, 22 de outubro de 2021

Câncer de próstata: do preconceito à prevenção

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 17 de novembro de 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
pros

Segundo tipo de câncer mais comum entre homens tem cura e pode ser evitado com atitudes simples

pros

Tido como o sexo forte e inabalável, até bem pouco tempo atrás, o homem era obrigado a se comportar como o provedor, único a cuidar da família e que, por isso, não adoecia jamais. Daí a aversão que muitos homens têm, ainda, das consultas médicas como rotina.

O problema é que esse comportamento, ao longo de décadas, levou muitos homens à morte por causa de doenças absolutamente curáveis e preveníveis, como o câncer de próstata, segundo mais comum eles, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma, de acordo com o INCA – Instituto Nacional do Câncer.

Campanha de prevenção

O INCA calcula que, dois anos atrás, em 2014, houve registro de 68 mil novos casos de câncer de próstata no país. Ainda de acordo com o Instituto, até o fim de 2016, devem ser diagnosticados 61 mil novos casos no Brasil. Por ano, são, em média, 13 mil mortes, uma a cada 40 minutos.

Foi justamente em decorrência dessas estatísticas assombrosas que nasceu a campanha “Novembro Azul”. A ideia do movimento é orientar a população masculina sobre a doença e sobre os exames que o homem deve fazer. Além de focar na prevenção ao câncer de próstata, as ações que ocorrem este mês em todo o país pretendem, também, alertar o homem sobre a importância de cuidar da saúde como um todo.

O câncer de próstata tem cura e quanto mais cedo for diagnosticado, maiores as chances de sucesso no tratamento. “É preciso que os homens aumentem a frequência com que procuram o médico e realizem exames preventivos, em especial, aqueles que têm histórico familiar de ocorrência de câncer de próstata na família ou entre amigos; alimentação inadequada, pouca ou nenhuma atividade física; e os que fazem uso de bebida alcoólica e cigarro, entre outros”, alerta Gil Fonsêca, urologista do Hapvida Saúde.

Câncer de próstata

O especialista explica que a próstata é uma glândula localizada perto da bexiga. A doença ocorre quando as células da próstata começam a se multiplicar de forma desordenada. O perigo é que, no início, o câncer na região não apresenta sintomas.

A Sociedade Americana de Urologia recomenda que o exame de sangue para a dosagem do PSA – antígeno prostático específico – seja realizado, pelo menos, uma vez por ano, por homens a partir dos 50 anos. “Já para os que têm histórico familiar com a doença, a recomendação é que esse cuidado comece aos 45 anos para aqueles que possuem histórico familiar da doença”, lembra o urologista.

É preciso tocar nesse assunto

Apesar do avanço da medicina e dos testes, o médico Gil Fonsêca orienta que, nem sempre, somente o exame de PSA é suficiente para se obter o diagnóstico completo, por isso, é importante também se realizar o exame toque retal. E é aí que entra um fator social relevante nos cuidados com a saúde do homem: o preconceito. A psicóloga Carla Cristini Oliveira, também do Hapvida Saúde, revela: “O preconceito e os tabus têm diminuído, mas ainda são os principais motivos para a não realização do exame”.

A especialista relaciona essa postura preconceituosa à existência de uma sociedade machista, que impõe regras de comportamento para que o homem seja considerado “macho”. Entre elas, estão o mito da saúde inabalável do homem, já que, para essa sociedade, somente ele deve prover a casa e a família; e o fato de que o exame de toque retal poria em xeque a masculinidade.

Fato é que, livre de preconceitos e atento à própria saúde, ao se permitir viver mais e prevenir doenças como o câncer de próstata, o homem ganha muito mais: em qualidade de vida, em força para manter a si mesmo e aos que ama, em equilíbrio e em longevidade.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter