Anadia/AL

21 de outubro de 2021

Anadia/AL, 21 de outubro de 2021

PROTESTO HOSTILIZA USINEIROS POR CALOTE MILIONARIO EM ALAGOAS

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 21 de novembro de 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
fornecedores-de-cana-protestam-contra-calote-de-usinas-em-alagoas-divulgacao

PRODUTORES COBRAM R$ 250 MI POR CANA VENDIDA A USINAS ALAGOANAS

fornecedores-de-cana-protestam-contra-calote-de-usinas-em-alagoas-divulgacao

‘CANSEI DE SER ROUBADO’

Irritados com o desrespeito do setor sucroenergético de Alagoas, fornecedores de cana do Movimento União Rural de Alagoas (Mural) protestaram na manhã desta segunda-feira (21), em Maceió, contra o calote de usineiros no pagamento de cerca de R$ 250 milhões pela cana fornecida há mais de três anos. A manifestação dos usineiros seguiu pelas ruas do Jaraguá até a sede do Sindicato e da Cooperativa dos Usineiros de Alagoas, cuja entrada foi bloqueada por aproximadamente seis toneladas de cana.

A manifestação denominada “Cansei de ser roubado” levou às ruas a cobrança pelo fim do que chamam de massacre financeiro contra a classe e as 300 mil pessoas que vêm sendo afetadas de forma direta e indireta pelo calote dos usineiros.

Produtores se revezaram em discursos contundentes contra os usineiros que não pagam suas dívidas. E trataram como “cooperativa de bandidos” as instituições que representam os usineiros: a Cooperativa Regional dos Produtores de Açúcar e Álcool de Alagoas (CRPAAA) e o Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Alagoas (Sindaçúcar-AL).

O Mural afirma que, caso não haja sinalização de pagamento até o final desta semana, as próximas manifestações iram bloquear as entradas das usinas.

Assista:

Problema social

Dos 7,4 mil produtores de cana alagoanos, 90% são pequenos fornecedores. Com as dificuldades financeiras, aliadas à sequência de estiagens, várias famílias estão vendendo suas terras para pagar empréstimos, enquanto as usinas recebem o que produzem antecipadamente e não pagam aos fornecedores.

No início deste mês de novembro, o Mural se irritou com a iniciativa do Sindaçúcar-AL de publicar nota em que afirma haver dez das 19 usinas com débitos “quitados” junto aos seus fornecedores. O movimento desmentiu parte fundamental da a informação: a suposta quitação representou 3% da dívida.

Nesta segunda, integrantes do Mural reconheceram e parabenizaram apenas as usinas Serra Grande, a Coopervale-Uruba e Coruripe, por honrar seus compromissos e respeitar fornecedores, pagando as safras regularmente.

Outro lado

Os usineiros não se manifestaram após o protesto de hoje. Mas, na nota do início do mês, criticada pelo movimento, o presidente do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira, afirmou que, nesta safra, a moagem está entrando na normalidade com mais unidades operando. “Além disso, os preço do etanol e do açúcar estão melhores neste início de safra em comparação ao ciclo anterior”, argumenta.

Os usineiros citam como “salvação da lavoura” em meio à crise cairá literalmente do céu, com a regularidade das chuvas e a obtenção do empréstimo internacional de 500 milhões de dólares, negociado entre as usinas nordestinas e um banco suíço.

Devido à previsão do protesto, não houve expediente na Cooperativa e no Sindicato dos Usineiros.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter