Anadia/AL

21 de outubro de 2021

Anadia/AL, 21 de outubro de 2021

Renúncia de Geddel não interrompe processo na Comissão de Ética

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 25 de novembro de 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
padi
Brasília - O presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Mauro de Azevedo Menezes, fala sobre o caso Geddel (Antonio Cruz/Agência Brasil)
 

O processo instaurado pela Comissão de Ética da Presidência da República contra o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, não será interrompido com a carta de renúncia que ele enviou hoje (24) ao presidente Michel Temer. De acordo com o presidente da comissão, Mauro Menezes, Geddel tem até o dia 1° de dezembro para apresentar sua defesa.

Menezes disse que, como ex-autoridade pública, a Comissão de Ética não tem mais poder para demitir Geddel, mas explicou que cabe ao colegiado analisar tanto a conduta de autoridades quanto de ex-autoridades.

“Nós apenas recomendamos e deixamos registrado que ele [autoridade] tem no seu currículo uma determinada avaliação quanto a seu comportamento ético”, disse Menezes.  “Transgressão à ética pública é, sem dúvida, a antessala de violações mais sérias que podem ser cometidas na vida pública”, acrescentou.

De acordo com notícias publicadas na imprensa, em depoimento na Polícia Federal, o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero disse que foi pressionado por Geddel para conseguir a liberação de um empreendimento imobiliário em Salvador, cujas obras estavam embargadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Geddel admitiu que tem um apartamento neste empreendimento. Segundo Calero, a questão do obra embargada e do pedido de Geddel foi discutida também com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o presidente Michel Temer.

Nota de Calero

O presidente da Comissão de Ética afirmou que também não há mais necessidade de intimar Calero, uma vez que o que veio a público por meio da mídia [o depoimento dele na PF] não foi contestado.

Após a entrevista concedida por Menezes, Marcelo Celero divulgou nota na qual nega ter “solicitado audiência com o presidente Michel Temer no intuito de gravar conversa no gabinete presidencial” e diz que nunca agiu de má-fé ou maneira ardilosa ao longo de sua trajetória na carreira diplomática.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter