Home NotíciasSaúde Governo de Alagoas garante mais uma cirurgia em criança cardiopata

Governo de Alagoas garante mais uma cirurgia em criança cardiopata

Por Alagoas Brasil Noticias

 

crianca

Criado pelo Governo do Estado, em abril do ano passado, o Serviço de Cardiopediatria da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), fruto de uma parceria com o Hospital do Coração e a Fundação Cordial, disponibiliza aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) um atendimento que vai do diagnóstico e acompanhamento ambulatorial até a realização das cirurgias. E mais uma vida foi salva graças à agilidade e a capacidade técnica dos profissionais da unidade hospitalar.

De acordo com o cardiologista do Hospital do Coração José Wanderley Neto, a fase neonatal é a mais complexa do atendimento cardiológico. Isso porque, quando se tem um bebê com poucos dias de vida, com os órgãos malformados, é preciso uma intervenção cirúrgica que possibilite a sobrevivência dos recém-nascidos.

O bebê João Wellinton Santos é do município de Cajueiro e tem apenas um mês de vida. Estava acometido pela atresia pulmonar (defeito cardíaco caracterizado pela má formação da valva pulmonar, podendo impedir o desenvolvimento correto do ventrículo direito), e, graças ao serviço, conseguiu sobreviver.

“Nossa equipe teve que realizar uma comunicação da artéria aorta à circulação sanguínea pulmonar para que o bebê recebesse sangue nos pulmões e pudesse oxigenar, para que ele possa crescer de uma forma saudável. O quadro de saúde dele é estável”, disse o cardiologista.

Para Wanderley Neto, o Serviço de Cardiopediatria é importante não só para sua equipe médica, como também para todo o Estado de Alagoas. “É a certeza de que qualquer alagoano nascido com um problema grave no coração tenha a chance de sobreviver, porque antes não dispúnhamos desse serviço no Estado de Alagoas”, destacou.

Segundo a secretária Rozangela Wyszomirska, o Serviço de Cardiopediatria começou por etapas, uma vez que era muito complexo. “Começamos com o atendimento ambulatorial, a realização de exames e, depois, o diagnóstico. Este ano avançamos muito para a realização de procedimentos pela hemodinâmica, inéditos para o Estado de Alagoas. A cirurgia dessas crianças é muito complexa, requer uma equipe treinada, e não depende só do cirurgião, mas, principalmente, do apoio pós-cirúrgico”, destacou.

A titular da pasta lembrou que, antes da atual gestão, os pais de crianças cardiopatas eram obrigados a recorrer ao Ministério Público Estadual (MPE) e à Defensoria Pública Estadual (DPE) para terem assegurado o atendimento cardiopediátrico a seus filhos. À época, muitas crianças ficavam desassistidas.

“Em nosso planejamento, essa cirurgia estava programada para ser feita em 2017. Portanto, estamos avançando e antecipando etapas do programa de atendimento à criança portadora de patologia cardíaca. É uma felicidade muito grande de estarmos afirmando e reafirmando os compromissos com os serviços fundamentais e importantes para a saúde da população”, ressaltou.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário