Home Geral Poder Executivo propõe projeto de lei para criação de novo Código Tributário Municipal

Poder Executivo propõe projeto de lei para criação de novo Código Tributário Municipal

Por Alagoas Brasil Noticias

 

O Projeto de Lei (PL) de autoria do Poder Executivo que propõe o novo Código Tributário Municipal (CTM) será publicado nesta terça-feira (6) no Diário Oficial do Município (DOM). Na prática, o texto regulamenta a legislação vigente, atualizando-a diante de sua defasagem e adequando-a à realidade atual. O novo Código aperfeiçoa mecanismos de controle da arrecadação tributária, promovendo justiça fiscal para o cidadão maceioense. O CTM em vigência no município completou 20 anos e necessitava de renovação.

O PL seguirá para avaliação da Câmara de Vereadores. Desde que o atual CTM entrou em vigor, em 1996, foram criadas outras 60 leis municipais que tratam sobre disposições tributárias. O novo modelo faz a consolidação dessas leis em um único documento, corrigindo distorções provenientes do volume excessivo de legislações, algumas datadas, inclusive, de 1989.

De modo geral, o novo Código atualiza e regulamenta a legislação fiscal municipal, insere a exigência da Contribuição de Melhoria e aperfeiçoa os processos de imunidade. “O que o Município propôs foi um redesenho do Código Tributário, atualizando-o em sua integralidade, observando dispositivos federais e outras normas vigentes. Ele busca se atualizar e alterar algumas formas de apuração de tributos e concessão de alguns benefícios para os pequenos contribuintes”, explica o secretário municipal de Finanças, Gustavo Novaes.

Além da atualização legal, o novo código também pretende aperfeiçoar o modelo de fiscalização e controle. “A mudança vai nos permitir melhorar a arrecadação e corrigir meios de recolhimento tributário que eram disformes. Estamos criando mecanismos para equacionar situações de modo que o contribuinte que tenha a base de cálculo menor não pague o mesmo que o grande contribuinte”, afirma.

Sem aumento de impostos

O secretário pontua que o novo Código não trará aumento de carga tributária, mas melhoria do sistema de controle, promovendo mais justiça fiscal. No caso do IPTU, por exemplo, o aumento do valor venal dos imóveis com isenção passará de 4% para 10% dos imóveis cadastrados. “O novo código prevê uma série de isenções, de forma a regularizar situações pendentes. É uma revisão ampla, que vai trazer um ganho relevante para a sociedade”.

Uma das inovações propostas diz respeito à Declaração Mensal de Serviços de Instituições Financeiras – DES-IF, que de acordo com o modelo vigente, não tinha como ser mensurada. “Há situações para as quais não havia mecanismo de controle, como o DES-IF. Fizemos o alinhamento com o entendimento do Banco Central para apuração de tributos, estabelecendo a forma como esse tributo vai ser declarado ao Município. Com isso, a gente espera melhorar a arrecadação tributária em relação às instituições financeiras, reduzindo a sonegação fiscal que hoje a gente imagina existir”.

Outra inovação diz respeito à Nota Fiscal do Tomador. “As empresas de grande porte que tomarem um serviço não vão necessitar mais pedir que aquele pequeno prestador de serviço venha até a Prefeitura Municipal para emitir uma nota fiscal de autônomo. Ele vai poder emitir essa nota fiscal dentro do próprio estabelecimento, recolhendo o imposto e repassando-o para o Município”.

Gustavo Novaes informa que a nova legislação pretende dar mais celeridade à tramitação dos processos, melhorando a gestão dos serviços. “O Código prevê ainda uma série de desburocratizações, de modo que algumas decisões ficarão a cargo do prefeito, outras ficarão a cargo do secretário e outras ficarão sob a gestão da própria Administração Tributária, agilizando o processo de decisão e contribuindo para a melhoria na gestão junto aos munícipes”, defende Gustavo Novaes.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário