confluencias opções binárias opções binárias abertura investir em ações day trade aims stress free forex trading system download mt4 para opçoes binarias quando começa e termina as operações de trader operações day-trade no mercado futuro darf lucro prejuizo malandragem das corretoras opçoes binarias olymp trader iq option opções binárias na plataforma rico opções binárias conta com bonus gratis o que sao opcoes binarias otc quais são os gastos para investir em day trade opções binárias oque devo saber para operar corretoras opçoes binaria analise grafica para operar com swing trade em ações robo de opções binarias download video opções binárias é uma farsa
Home Alagoas MPC rejeita contas de 2010 do ex-governador Téo Vilela; TCE julga irregularidades

MPC rejeita contas de 2010 do ex-governador Téo Vilela; TCE julga irregularidades

Por Alagoas Brasil Noticias

O pleno do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas (TCE/AL) vai julgar nesta quarta-feira (14) as contas do ex-governador Teotônio Vilela Filho, referentes ao ano de 2010. O Ministério Público de Contas (MPC) já se manifestou favorável a rejeição das contas do ex-gestor por apresentar diversas irregularidades, com destaque para as manobras fiscais praticadas para tentar atingir os gastos mínimos com educação e saúde.

Além de 2010, outras contas do governador de Alagoas a exemplo dos exercícios financeiros de 2011 e 2012, também foram aprovadas pela Assembleia Legislativa Estadual (ALE) sem o Parecer Prévio do Tribunal de Contas, o que é uma exigência legal.

Para o MP de Contas, os Decretos Legislativos da ALE que aprovaram as contas do ex-governador são nulos e inconstitucionais, pois carecem de uma análise técnica, cuja exigência é obrigatória e prévia ao julgamento do Poder Legislativo.

Nesse sentido, vale ressaltar que a Atricon (Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil) ajuizou a ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), visando à desconstituição dos Decretos Legislativos n. 441/12, 453/14 e 454/14, referentes ao julgamento dos exercícios financeiros de 2010 a 2012, por terem sido proferidos sem a indispensável emissão do Parecer Prévio do TCE/AL.

O próprio TCE/AL também ajuizou ação no mesmo sentido. No mérito, o MP de Contas apontou 11 irregularidades somente nas contas de 2010 do ex-governador Teotonio Vilela Filho, são elas:

  1. Previsão orçamentária deficitária em R$ 235.763.000,00;
  2. Abertura de créditos suplementares sem autorização legal, por ato exclusivo do Executivo em 286,82% acima do permitido na LOA;
  3. Aumento de 305,7% do Passivo Real a Descoberto, ocasionada, em maior parte, pela remissão de R$ 919.000.000,00;
  4. Dívida Consolidada Líquida acima do máximo permitido na Constituição Estadual e no Anexo de Metas Fiscais para o exercício;
  5. Superávit Primário abaixo da meta fiscal estipulada na LDO, que ocasionou o financiamento de R$ 198.900.000,00 para cobrir o serviço da dívida;
  6. Descumprimento ao art. 212, da CF, que impõe o gasto mínimo de 25% da receita líquida de impostos e transferências com manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE);
  7. Inclusão das despesas com inativos no cálculo dos gastos com a Manutenção e Desenvolvimento do Ensino;
  8. Obscuridade das contas prestadas com relação à obediência aos arts. 21, §2º, e 22, da Lei do FUNDEB, e com relação ao cumprimento do gasto mínimo de 12% da receita líquida com ações e serviços de saúde;
  9. Diminuto gasto com ações finalísticas na área de saúde; Total omissão sobre o cumprimento dos limites constitucionais e legais para a realização de operações de crédito, operações de crédito por antecipação de receita orçamentária, concessão de garantias e contragarantias;
  10. Não cumprimento de meta fiscal proveniente do Programa de Ajuste Fiscal;
  11. Não repasse ao Tesouro do Estado do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) dos servidores inativos e pensionistas pelo AL Previdência, com redução de 29,78% na arrecadação de Imposto de Renda.

O MPC também já emitiu parecer apontando 19 irregularidades nas contas de Téo Vilela no ano de 2011, são elas:

  1. Abertura de créditos especiais por Decreto Executivo, sem a devida autorização legislativa;
  2.  Abertura de créditos suplementares acima do previsto em Lei Orçamentária, sem o devido amparo legal;
  3. Abertura de crédito extraordinário sem a rigorosa fundamentação exigida para a sua abertura;
  4. Ausência de medidas efetivas adotadas para a resolução dos contínuos prejuízos acumulados em entidades da Administração Indireta, tais como a CASAL, LIFAL, CARHP e SERVEAL, que somam aproximadamente o saldo negativo de 866 milhões de reais;
  5. A “provisão para perdas da dívida ativa”, que atinge 99,31% dos créditos inscritos, gerando graves problemas à saúde financeira do Estado, fato que corroborado com a inclusão de títulos dos Precatórios em R$ 320,413 milhões, bem como a excepcional concessão de remissão em favor da toda a dívida ativa não tributária acarretando em um aumento de 5,43%, traduzindo R$ 5,866,221 bilhões, de passivo real a descoberto;
  6. Ausência de medidas efetivas adotadas para recuperar os valores previstos em perdas da Dívida Ativa;
  7. Dívida consolidada em aproximadamente 5 vezes a margem prevista na Constituição do Estado, ou seja, excedida em R$ 6.346.824 o limite previsto, e ainda superando o não atendimento do previsto no Anexo de Metas Fiscais da LDO que estimou o limite de R$ 6,900 bilhões para o exercício financeiro de 2011;
  8. A indevida dedução dos valores destinados ao FECOEP acarretando em base de cálculo a menor para o cálculo do cumprimento dos limites com Educação e Saúde;
  9. Descumprimento do limite de 25% com a Educação e de 12% com a Saúde,;
  10. Falta de detalhamento dos gastos com Educação e Saúde, principalmente quanto às despesas com rubricas genéricas tais como “outras despesas” e “outras”;
  11. Inclusão do pagamento de Inativos dentro da rubrica dos profissionais do magistério;
  12. Ausência de parecer do Conselho de Acompanhamento Social do FUNDEB;
  13. Inclusão dos gastos com saúde pública com destinação restritiva, ou seja, contabilização dos gastos destinados ao IPSEAL para o cumprimento do limite com saúde;
  14. Não aplicação dos recursos com a saúde pública na atividade-fim, assim sendo, ficou constatada a aplicação de mais de 50% dos gastos destinados às despesas administrativas;
  15. Não envio de informação quanto ao cumprimento dos limites com pessoal por parte dos demais Poderes, quais sejam: Judiciário, Legislativo e Ministério Público Estadual;
  16. Medidas adotadas para a redução das despesas com pessoal, tendo em vista o atingimento do percentual de alerta de 95%;
  17. Detalhamento quanto a possíveis informações acerca do cumprimento de limites constitucionais e legais quanto a garantias e contragarantias;
  18. Detalhamento de informações quanto ao cumprimento das metas para o Programa de Ajuste Fiscal;
  19. Resultado Primário em R$ 470 milhões, abaixo da meta de R$ 605 milhões estipulada, acarretando em novo financiamento do serviço da dívida.
  20. As contas do governador de Alagoas no exercício financeiro de 2010 é de relatoria da conselheira Maria Cleide Beserra, e as contas de 2011 são da relatoria do conselheiro Anselmo Brito.

Veja na íntegra os pareceres emitidos pelo Ministério Público de Contas:

parecer-mpc-1-contas-do-governo-do-estado-2010

parecer-mpc-2-contas-do-governo-do-estado-2011

parecer-mpc-3-resposta-a-defesa-do-governador-contas-de-2010

parecer-mpc-4-resposta-a-defesa-do-governador-contas-de-2011

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário