sites de sinais opçoes binarias opções binárias com bollinger bandes discord de opçoes binarias estrategia do curso de opçoes binaras do weldes campos como preencher o darf operações day trade tive prejuízo em operações suwing trade com prio3 curso opções binárias ronaldo c indicador de opções binarias robôs de negociação opções binárias em português golden táticas de sucesso 101 profit opções binária forex trading forum opções binárias acabou na iq option em quais opções binárias não negociar trading em forex opções binárias fácil 2.0 imposto de renda em operações de day trad planilha de operações swing trade com ir
Home NotíciasPolitica DILMA: SE EU NÃO TIVESSE VENCIDO EM 2014, AS COISAS ESTARIAM PIORES

DILMA: SE EU NÃO TIVESSE VENCIDO EM 2014, AS COISAS ESTARIAM PIORES

Por Alagoas Brasil Noticias

 

A presidente eleita e deposta pelo impeachment Dilma Rousseff acredita que, se não tivesse vencido a eleição de 2014, a situação do País estaria pior hoje. A análise foi feita em entrevista ao jornal britânico The Guardian, publicada neste sábado 24.

Questionada se se arrepende de ter vencido a disputa contra Aécio Neves (PSDB), ela responde: “Nem por um momento. Se eu não tivesse vencido, as coisas estariam piores agora. Nós já teríamos um pacote de austeridade e privatizações como o do [presidente Mauricio] Macri, na Argentina”.

Pela primeira vez, Dilma descreve seus sentimentos no dia em que a Câmara votou pela admissibilidade do processo de impeachment, na sessão de 17 de abril desse ano. “Foi um caleidoscópio de lembranças. Senti tristeza, desespero e indignação”, afirma.

Ela também recorda a reação do ex-presidente Lula, que estava junto com ela no momento. “Ele chorou e me abraçou. Ele disse ‘chore, Dilma, chore!’ Mas eu não choro quando estou sentida. Não é assim que eu sou”, conta.

Dilma comenta o episódio em que o deputado Jair Bolsonaro dedica seu voto pelo impeachment ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do Doi-Codi, órgão de repressão durante a ditadura militar e um dos torturadores de Dilma. “Eu fiquei chocada que ele pudesse dizer isso no Congresso”, disse a ex-presidente.

Ainda em referência à ditadura, ela relata “todos os dias são difíceis”, em alusão ao período posterior ao seu afastamento, mas ressalta que “este não foi o pior ano” da sua vida. “De jeito nenhum”, atesta.

Como já disse em outras ocasiões, Dilma reforçou que o fato de ser mulher ajudou nesse processo. “O fato de eu ser a primeira mulher presidente foi significante para o que aconteceu comigo. É difícil de quantificar, não era 100% por causa disso, mas era um componente”, acredita. “Acho que será mais fácil para a próxima presidente”, espera.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário