curso opções binárias e robos é bom curso revelando opções binárias 4.0 funciona oque e operação automatizadas metra trade day trade aprender a operar porque a belgica proibiu as opçoes binarias xp fundos de investimento day trade trader brasil investimentos rj rio de janeiro como declarar operações day trade no imposto de renda 2018 opções binárias easynvest best forex broker for trading gold aula investir olymp trade como operar.com banca baixa full trader forex trading in japan como operar a grand capital em meta trader 5 plataforma para opções binárias learn forex trading online free opções binárias e pirâmide financeira
Home NotíciasPolicia Cerca de 70 prefeitos de Alagoas desviaram recursos que afetaram saúde e educação da população

Cerca de 70 prefeitos de Alagoas desviaram recursos que afetaram saúde e educação da população

Por Alagoas Brasil Noticias

 

Alagoas lidera a lista dos Estados com mais municípios onde houve irregularidades detectadas pelas investigações federais, em termos proporcionais. As investigações apontam a existência de verdadeiros esquemas de corrupção em 70 das 102 cidades alagoanas, ou seja, em mais de dois terços dos municípios.

As áreas de Saúde e Educação foram alvo de quase 70% dos esquemas de corrupção e fraude desvendados em operações policiais e de fiscalização do uso de verba federal pelos municípios nos últimos 13 anos. Os desvios descobertos pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF), identificam o ‘olhar atento’ dos gestores no volume de recursos destinados a essas duas áreas.

Operação conjunta 

Em meados de 2016, foi desencadeada a Operação Brotherhood pela Polícia Federal (PF) em parceria com a Controladoria Geral da União (CGU) com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que atuava no interior do Estado. A quadrilha era responsável por fraudar licitações para fornecimento de gêneros alimentícios destinados à merenda escolar – custeada com recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). A estimativa é que a quadrilha tenha causado prejuízo superior a R$ 12 milhões.

A Operação teve origem em denúncias à prefeitura de Traipu, apresentadas à Polícia – parte delas formalizadas por agentes públicos do próprio município – e posteriormente repassadas ao Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MTFC). Durante a apuração, os auditores consideraram o histórico de irregularidades já praticadas por gestores anteriores, que até resultaram na Operação Tabanga, deflagrada em 2009.

Com o aprofundamento das investigações, foi possível constatar indícios da mesma natureza de fraude também em outros municípios da região.

O MTFC identificou, entre as falhas, o direcionamento de processos licitatórios; sobrepreço; superfaturamento; conluio entre as empresas participantes dos certames; “jogo de planilhas”; constituições de empresas de fachadas; utilização de sócio oculto; e omissões por parte das prefeituras quando do recebimento das mercadorias.

Ramificação 

A Operação Brotherhood teve a participação de 14 auditores da CGU no cumprimento de 19 mandados de busca e apreensão e de 15 conduções coercitivas nos municípios de Arapiraca, Cajueiro, Girau do Ponciano, Ibateguara, Penedo, Roteiro, Tanque D´Arca, Traipu e na capital Maceió.

Em números gerais, o levantamento mostra que o principal programa afetado na área da saúde foi saneamento básico. No setor de ensino, quem mais perdeu, segundo a Controladoria Geral da União (CGU), foi o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) – formado por recursos provenientes dos impostos e transferências dos Estados e municípios e que deveria ajudar a melhorar a qualidade da educação básica nos municípios.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário