best indicators for day trading forex trader para investir dinheiro em opçoes binarias como negociar opçoes binarias onde declarar operações day trade opções binárias no sabado como operar o fast trade do mirae opções binárias neteller opçoes binarias no metatrader 5 tempo de entrada opções binárias robot de opções binárias iq option 5emas forex trading system estrategia para 30 segundos opçoes binarias estrategias simples para opçoes binarias opera 5 mil em day trade preciso pagar 15 ir operar day trade no bradesco trade related investment measures meaning custos operacionais day trade mini indice xp investimentos
Home Agricultura Preços do açúcar devem subir em 2016/2017 com 2 anos seguidos de déficit

Preços do açúcar devem subir em 2016/2017 com 2 anos seguidos de déficit

Por Alagoas Brasil Noticias

Instituição segue previsão de consultorias internacionais sobre oferta menor que o consumo global, apesar de maior safra no Brasil

POR ESTADÃO CONTEÚDO

A Organização Internacional do Açúcar (OIA) salientou nesta sexta-feira (06/01), que as expectativas de déficit da oferta mundial da commodity pelo segundo ano consecutivo sinalizam recuperação de preços na safra global 2016/17, iniciada em outubro. No relatório divulgado nesta data na capital britânica, a instituição destacou que os preços terminaram o ano passado com quase um terço de ganho na comparação com um ano antes. “Em termos de média anual, o preço diário da OIA terminou 2016 significativamente maior do que em 2015, passando de 14,90 centavos de dólar por libra-peso para 19,20 centavos de dólar por libra-peso, um aumento de 29%”, comparou o relatório. “Os preços do açúcar branco (refinado) também ficaram mais altos no período, passando de US$ 373,25 por tonelada em 2015 para US$ 498,13 por tonelada, um aumento de 33%.”

A OIA não atualizou sua projeção de déficit para o ciclo 2016/17, mas citou previsões feitas por outras instituições. No caso da F.O. Licht, a estimativa foi reduzida de 8,1 milhões de toneladas esperada em novembro para 5,9 milhões de toneladas no mês passado. O déficit menor é atribuído, em parte, a uma revisão para cima da produção de açúcar no Centro-Sul do Brasil para os ciclos 2016/17 e 2017/18. O Escritório Australiano de Agricultura, Recursos Econômicos e Ciências (Abares) divulgou uma nova projeção para a produção mundial em 2016/17, de 176,9 milhões de toneladas ante 183,9 milhões de toneladas de consumo.

O relatório da OIA menciona também a francesa Sucden, comerciante de commodities com sede em Paris, que considera que o aumento da produção global é prejudicado por perdas na Índia e pela safra brasileira no Centro-Sul do País em 2017/18, que deverá ficar apenas um pouco acima do crescimento do consumo. A previsão, neste caso, é de um déficit de quase 5 milhões de toneladas. “O ciclo 2017/18 é ainda altamente incerto. Salvo quaisquer interrupções climáticas, as projeções apontam para ganhos fortes e generalizados, com a notável exceção do Centro Sul do Brasil. Se isso for confirmado, a produção global poderia registrar a passagem para um pequeno saldo excedente.”

Já o banco Société Générale espera que, com condições climáticas adversas, o mercado de açúcar apresente um excedente de 3,5 milhões de toneladas em 2017/18, depois de registrar um déficit de 2,6 milhões de toneladas em 2016/17. No caso do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a projeção é de produção global em 2016/17 de 170,9 milhões de toneladas, enquanto o consumo deve ser de 173,6 milhões de toneladas.

A OIA menciona ainda a consultoria brasileira Datagro, que revisou, em dezembro, sua previsão de 2016/17 para um déficit mundial de 4,36 milhões de toneladas – a estimativa no início daquele mês era de 5,16 milhões de toneladas e, em novembro, de 6,48 milhões de toneladas. A maior produção no Centro-Sul do Brasil também foi apontada como o principal gatilho para a mudança.

Hedge funds

A OIA destacou no relatório mensal que, ao contrário do que costuma ocorrer nos finais de ano, quando é vista uma “letargia” dos mercados por causa do Natal, ano-novo e férias, os preços da commodity (tanto o açúcar bruto quanto o refinado) apresentaram “considerável volatilidade” no mês passado. A instituição lembrou que, na primeira metade do mês, os preços caíram para a mínima cotação em seis meses, mas se recuperaram acentuadamente na última semana do ano.

Pelo documento da OIA, os preços do açúcar bruto (preço diário da OIA) iniciaram o mês em 18,87 centavos de dólar por libra-peso e depois caíram para 17,80 centavos/lb, chegando ao fim do mês em 19,20 centavos/lb. Como resultado, a média mensal ficou em 18,49 centavos/lb. Os preços do açúcar refinado seguiram um caminho semelhante: começaram o mês a US$ 512,70 por tonelada, atingiram a mínima de US$ 484,55 por tonelada e fecharam 2016 em US$ 511,10 por tonelada.

Em termos de média, o índice caiu para US$ 502,67 por tonelada contra 549,10 por tonelada de novembro. O pico dos preços nesse mercado foi visto em setembro, mas em outubro e novembro foram registradas quedas. “Uma forte melhora dos preços no final de 2016 pode ser atribuída a novas expectativas para as importações da Índia, enquanto a temporada de esmagamento no Brasil continua baixa”, considerou a OIA. Além da volatilidade, o relatório da instituição destacou que, durante a maior parte de dezembro, o mercado foi significativamente influenciado pela contínua liquidação de posições de longo prazo de hedge funds. Na semana encerrada em 27 de dezembro, o volume era de 112.783 contratos ante 154.268 lotes do final de novembro.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário