demo forex trading account australia gabs trader operando alavancagem experiências de operadores de day trade quanto operar no day trade para obter renda reclame aqui das corretoras de opções binárias imperial trade investments operando ações no day trade opções binarias livros indicador de opções binarias qual o melhor robo para opções binarias al masraf bank arab bank for investment and foreign trade forex trading money management system pdf opções binárias material de estudo forex trading leads operar day trade alavancado prejuizo opçoes binarias e fibonacci robot opçoes binarias rise fall alternado 2.0
Home Brasil Vendas no varejo tem maior queda em 16 anos

Vendas no varejo tem maior queda em 16 anos

Por Alagoas Brasil Noticias

O comércio varejista brasileiro despencou no ano passado: encerrou 2016 com o pior movimento de vendas em 16 anos e retrocedeu para o nível de atividade registrado em 2012. No ano passado, o movimento nacional do comércio medido pelas consultas para vendas a prazo, com cartão de débito, de crédito e com cheque caiu 6,6% em relação a 2015, de acordo com o Indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian, que começou a ser apurado em 2001. Até 2015, a maior retração tinha ocorrido em 2002 (-4,9%), ano da crise de energia.

“Não esperávamos uma retração tão forte”, diz o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi. Ele atribui esse desempenho aos juros e ao desemprego elevados, à falta de segurança do consumidor para ir às compras e à inflação alta, que afetou especialmente os supermercados, que vendem alimentos.

Apesar do tombo, o economista acredita que o setor ainda não bateu no fundo poço. “Vamos ter um primeiro semestre ainda muito negativo, com mais terra para cavar nesse buraco”, afirma o economista. Ele enxerga alguma reação a partir do segundo semestre, em resposta à queda dos juros e uma certa estabilização do mercado de trabalho.

Por conta disso, Rabi prevê que, depois de dois anos seguidos de queda, 2017 inteiro deve fechar empatado. Nas previsões do economista, o varejo só deverá retomar o pico de vendas, que foi em 2014, em 2020. “Vamos levar quatro anos para recuperar dois anos perdidos (2015 e 2016).”

Setores

Segmentos menos essenciais e dependentes de crédito tiveram as vendas no varejo mais afetadas no ano passado. O campeão de queda foi o de veículos, motos e peças, que teve retração de 13%. Os números da indústria automobilística confirmam o recuou. Em 2016, houve uma retração de 20% nas vendas de carros novos e o volume de vendas voltou para o nível de 2006, com 2,05 milhões de unidades.

De acordo com os dados da Serasa Experian, a segunda maior queda no movimento de vendas ocorreu no segmento de tecidos, vestuário calçados e acessórios, com um recuo de 12,6% em 2016 ante 2015.

Fernando Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), diz que os dois últimos anos foram “tremendamente ruins” para os fabricantes. Em 2015 a retração de produção das fábricas foi de 14% e, no ano passado, a queda foi um pouco menor, entre 6% e 7%. Isso porque, com a valorização do dólar no final de 2015, muitos varejistas substituíram os importados pela produção nacional. Outro fator que ajudou na substituição foi a insegurança em relação ao desempenho do mercado e à rapidez de abastecer as lojas com mercadorias.

De toda forma, a substituição de importados não impediu que o setor amargasse perdas em 2016. Pimentel ressalta que a crise tornou a compra de itens de vestuário mais racional. “A compra por impulso é muito grande nesse setor.”

O único setor acompanhado pela Serasa Experian que avançou em 2016 foi o de combustíveis. Rabi diz que houve uma troca das viagens de avião pelo turismo local e de carro, o que influenciou nesse resultado. 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário