como funciona o mercado forex trading imposto de renda opções binárias moeda real swing trade genial invest call put power opções binárias trader club investimento material opçoes binarias melhor estrategia opções binarias estrategia simples opçoes binarias qual a melhor corretora para operar opções binarias bolt altomatico pra operar opçoes binarias opçoes binarias e forwx sao jose dos campos forex trading free demo sites de noticias pra opçoes binarias como operar day trader com mini dolar dez 18 opções binárias e robos conceitos básicos australian trade and investment commission sma opções binarias
Home ANADIA -AL . Justiça determina perda de cargo e suspensão de salário de promotor condenado

Justiça determina perda de cargo e suspensão de salário de promotor condenado

Por Alagoas Brasil Noticias

Carlos Fernando Barbosa de Araújo foi condenado pelo estupro da filha e das enteadas, o réu foi promotor titular de Anadia.

por Raíssa França*Adaptação, Carlos Alberto.

O procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça assinou o ato, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), nesta terça-feira (17), determinando a perda do cargo do promotor de Justiça Carlos Fernando Barbosa de Araújo, condenado por abuso sexual da filha e das enteadas. Além disto, o procurador-geral intimou o Ministério Público Estadual (MPE) para que suspenda imediatamente o salário do promotor.

Ex. promotor Carlos Fernandes, quando de sua prisão no Amapá

Segundo a assessoria de Comunicação do MPE, Alfredo Gaspar assinou a portaria cumprindo a determinação do judiciário e acredita que a decisão será publicada ainda nos próximos dias no Diário Oficial do Estado (DOE).

Ainda de acordo com a assessoria, Carlos Fernando entrou com um recurso, mas perdeu. “Ele se encontra afastado e a perda do cargo em definitivo só quando a sentença for transitada em julgado”.

O procurador-geral decidiu suspender o salário devido a decisão proferida na Ação Pública, que determinou a perda do cargo de Carlos Fernando.

Procurador Geral de Justiça – Gaspar de Mendonça

Perda de cargo

Em novembro do ano passado,  o Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) condenou o promotor de Justiça  a 76 anos e cinco meses de reclusão, por três estupros e oito atentados ao pudor, cometidos continuadamente contra duas filhas e uma enteada, além de produção de pornografia infantil. Na decisão também foi determinada a perda definitiva do cargo e a prisão imediata do réu.

O caso

Em novembro do ano 2015,  o Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) condenou o promotor de Justiça  a 76 anos e cinco meses de reclusão, por três estupros e oito atentados ao pudor, cometidos continuadamente contra duas filhas e uma enteada, além de produção de pornografia infantil. Na decisão também foi determinada a perda definitiva do cargo e a prisão imediata do réu.

O MPE afirmou que a primeira vítima, filha do réu, começou a ser abusada sexualmente em 1993, quando tinha 12 anos, perdurando até 2003. A vítima relatou que a primeira agressão aconteceu enquanto ela dormia e foi acordada por seu pai lhe fazendo sexo oral. Segundo os depoimentos, ao longo dos anos, o réu abusava das filhas em atos cotidianos como banhos.

Em 2003, já maior de idade, a filha teve conjunção carnal com o pai. Ela afirmou que Carlos Fernando levou-a para um motel e convenceu de que lhe “deixaria em paz” após o ato, praticado após ingestão de bebidas alcoólicas por ambos.

“Essa é a história de três jovens que perderam a sua infância”, lamentou o procurador Antiógenes Lira. “O Ministério Público pede a condenação do réu em homenagem ao Direito e à Justiça, e em nome de tudo o que é moral e sagrado na família”, afirmou.

No processo, a filha agredida contou que a demora de anos para fazer a denúncia se deve ao medo da posição social do pai. Quando notou que a irmã (de criação, enteada do promotor) dava sinais de que estava sofrendo abusos, resolveu procurar a Justiça.

A terceira vítima, filha de Carlos Fernando, foi abusada com quatro anos de idade. Ela chegou a relatar para a mãe o que acontecia durante os banhos que tomava junto com o pai. Por meio da investigação administrativa do MPE, foram achadas fotos das crianças em trajes íntimos.

Saiba Mais

Ao longo das investigações, também foram colhidas fotos e vídeos nos computadores que eram usados por Carlos Fernando, um deles no gabinete que ele ocupava na Comarca de Anadia, da qual era promotor titular e no qual havia fotos de várias mulheres, algumas muito jovens, outras de ex-companheiras e até da enteada menor de idade em trajes íntimos.

Após o resultado do julgamento, Carlos Fernando fugiu e só foi localizado e preso em março de 2015 ano, na cidade de Macapá, no Amapá. 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário