Anadia/AL

27 de novembro de 2021

Anadia/AL, 27 de novembro de 2021

Discutir o não pagamento do piso salarial dos professores agora é prematuro, diz Sinteal

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 25 de janeiro de 2017

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Sinteal

A palavra reajuste tem sido bem discutida nesse início de ano não somente nos orçamentos familiares, como também nas despesas públicas, e o piso nacional dos professores foi um desses temas. Apesar de o Governo Federal ter anunciado que o piso terá aumento de 7,64% em 2017, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação em Alagoas (Sinteal) garante que é prematuro alguns gestores afirma que não terão condições de cumprir.

O aumento representa incremento de 1,35% acima da inflação acumulada de 2016, que foi de 6,29%, passando em valores reais para R$ 2.298,80. Conforme dados do Sinteal, em Alagoas a grande maioria das prefeituras cumpre e paga o piso salarial, todavia nem todas cumprem o ajuste salarial dos docentes acompanhando a ascensão de carreira.

Para a presidente da entidade Maria Consuelo, “essa situação de ficar afirmando que não irão cumprir o pagamento do piso é muito prematura. O que temos ainda é uma previsão orçamentária, que necessita passar por um planejamento”.

Segundo ela, o aumento do piso depende da análise de alguns fatores ligados a Educação, como o número de alunos matriculados na rede, a evasão escolar e outros pontos. “E diante disso, alguns prefeitos, em nome de uma crise, afirmaram já que não terão condições de cumprir piso. Isso é muito complicado, pois quando é para classe trabalhadora não existe dinheiro para nada”.

O reajuste proposta pelo Governo Federal é considerado pela classe dos professores como o menor já reajustado desde quando a categoria conquistou a implantação do piso, classificado como um retrocesso.  

Já para o presidente da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), Marcelo Beltrão, o aumento no piso dos professores é um grande impacto nas prefeituras, assim como o aumento do salário mínimo.

“Eu defendo que o professor seja valorizado, mas não depende só do aumento do piso. Ele deve ser valorizado em condições melhores de trabalho, e o salário é apenas um dos pontos importantes. Os aumentos trarão um impacto forte na gestão, porque as prefeituras terão que deixar de fazer alguns investimentos para realizar os pagamentos”, explicou Beltrão. 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter