revelando opcoes binarias matriculas abertas forex trading money management strategies o que é forex trading para português o que é trade de opções binarias what is the best way to learn forex trading advantages of forex trading diferenca entre opcoes binarias e forex forex trading practice app plataformas de investimentos que fazem trade green tree opções binárias entrar cursos opcoes binarias como operar o tryd trade compra com um clique como declarar operações day trade no imposto de renda 2017 o que e opçoes binarias qual o custo para operar ações swing trade best forex trading courses in the world brokers de opções binárias fora da europa
Home Municípios Ex-prefeito de Mata Grande tem bens bloqueados após desfalque de R$ 4 mi

Ex-prefeito de Mata Grande tem bens bloqueados após desfalque de R$ 4 mi

Por Alagoas Brasil Noticias

Decisão é resultado de uma ação apresentada pelo Ministério Público Estadual.  ABN – 25/01/2017 16:43

Ex-prefeito é acusado de não repassar recursos previstos a órgão

O ex-prefeito de Mata Grande, José Jacob Gomes Brandão, acusado de improbidade administrativa, teve os bens declarados indisponíveis pelo juiz Edivaldo Landeosi, que responde pela Comarca. A quantia atinge o montante de R$ 4.352.843,18. O magistrado também determinou a indisponibilidade dos bens da ex-diretora-presidente do Instituto de Previdência dos Servidores de Mata Grande (IPSEMG), Geórgia Cecília Alencar, no montante de R$ 43.360,00. A decisão foi proferida nessa terça-feira (24).

Segundo o Ministério Público de Alagoas (MP/AL), José Jacob teria deixado de repassar R$ 4.352.843,18 ao Instituto, entre fevereiro de 2013 e junho de 2016. A ilicitude que recai sobre Geórgia Cecília Alencar diz respeito à extrapolação da taxa de administração do IPSEMG nos anos de 2013 e 2014, o que teria provocado danos de R$ 43.360,00 ao erário.

Por esses motivos, o MP/AL requereu a indisponibilidade dos bens dos acusados. O pedido foi deferido pelo juiz Edivaldo Landeosi. “Da leitura da exordial, embasada fielmente na auditoria técnica realizada e no depoimento da diretora-presidente do IPSEMG, perante o Núcleo de Defesa do Patrimônio Estadual, vislumbra-se o envolvimento dos requeridos em atos que causaram substancial prejuízo ao erário”, afirmou.

Ainda de acordo com o magistrado, o prejuízo foi de grande monta, totalizando R$ 4.396.203,18, “o que evidencia claramente o perigo de não ressarcimento aos cofres públicos caso a medida cautelar não seja de pronto deferida”.

Os acusados serão notificados para que ofereçam manifestações por escrito, no prazo de 15 dias.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário