Anadia/AL

28 de julho de 2021

Anadia/AL, 28 de julho de 2021

Movimento colhe assinaturas para tentar embargar obra do Marco Referencial

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 23 de fevereiro de 2017

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Marco

 

Um movimento formado por vários profissionais, principalmente de arquitetos e urbanistas de Alagoas, está colhendo assinaturas visando mobilizar o Ministério Público Federal (MPF) para que solicite à Justiça Federal o embargo da obra do futuro “Marco Referencial”, que está sendo construído no antigo Alagoinhas, na orla de Ponta Verde, em Maceió. Eles se dizem contrários ao projeto, alegando que a população não foi consultada e que a obra ignora a história do local.

Nas redes sociais, uma página do movimento ‘Abrace o Alagoinhas, essa cidade é nossa!’ está convocando os internautas a assinar um abaixo-assinado em um site específico que se converterá a uma petição a ser direcionada ao MPF.

De acordo com os idealizadores, o movimento tem o propósito de dialogar com o poder público e a população sobre o destino do Alagoinhas, avaliado por eles como uma marca da identidade cultural de Maceió. 

A empresária e arquiteta Evelyne Cruz explica que a ideia não é paralisar a obra para que o Alagoinhas volte a ser um clube, mas discutir a melhor alternativa para o espaço. Para ela, é importante a sociedade participar do processo e sugerir o que é mais conveniente.

“Precisamos discutir sobre a importância da participação necessária do cidadão e da transparência nesse processo. Acredita-se que através de um concurso de projetos, pode-se encontrar uma solução democrática e apropriada para o local”, detalha a publicação nas redes sociais.

Segundo os idealizadores, por meio da iniciativa popular pretende-se conseguir, na Justiça, a paralisação da obra, que foi iniciada em dezembro do ano passado. Se isto acontecer, o movimento sugere que a própria população decida sobre o destino mais adequado ao espaço público.

O Conselho de arquitetura e Urbanismo de Alagoas defende a prática de concurso público para conjuntos arquitetônicos, obras de artes, monumentos e edifícios simbólicos. A solução, segundo o conselho, está na Lei 8.666/93, que prevê esta modalidade. “Entre os motivos relacionados podemos destacar a competição de vários projetistas para se eleger o melhor projeto ou solução, com preço fixo; a modalidade recomendada pela Unesco para os países membros da ONU, sendo o Brasil um dos signatários desse compromisso; além dos critérios claros de seleção e tornar a sociedade como protagonista na escolha da melhor proposta e o melhor investimento do dinheiro público”, defende o conselho.

Projeto

O Marco Referencial deverá ser concluído em 12 meses, segundo previsão do governo do Estado, e terá uma área total de mais de 3.500 m² e capacidade para 1.500 pessoas. Contará, ainda, com praça de alimentação formada por sete quiosques, concha acústica com palco para shows, dois mirantes (leste e oeste), espaço cultural climatizado, guarita, banheiros, camarins e espaço administrativo.

O valor orçado, de R$ 9.395.441,04, é oriundo do Ministério da Integração Nacional, com contrapartida do Governo do Estado.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter