preco por operação trade site de sinais para opçoes binarias professor de price action de opçoes binarias negociar opções binárias e seguro investimentos em opções binárias na rico o que são operações day trade como declarar opções binárias in which countries is forex trading illegal impera trader como calcular investimento 3d trade investimentos calote como esta o mercado de opçoes binarias 2018 como realizar o investimento na a 2 trader dicas de como operar em opções binárias earn money trading forex trading strategien forex is forex trading still profitable é possivel operar day trade somente durante a tarde
Home Alagoas Alagoas registrou 44 mortes violentas durante os dias de Carnaval

Alagoas registrou 44 mortes violentas durante os dias de Carnaval

Por Alagoas Brasil Noticias

No mesmo período do ano passado, foram 33 homicídios; dados da violência foram apresentados pela SSP <> Por Jamylle Bezerra e Rafael Maynart <> Atualizado <> ABN ás 18:05

A violência marcou o Carnaval em Alagoas e deixou 44 pessoas mortas das 18h da sexta-feira (24) até o meio-dia da Quarta-feira de Cinzas (1º). Os dados, apresentados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) durante entrevista coletiva nesta quinta-feira (2), representam um aumento significativo do número de vítimas da violência quando feito um comparativo com o mesmo período do ano passado, quando foram registradas 33 mortes. 

O dia mais violento do Carnaval 2017 em Alagoas foi a terça-feira (28), quando 14 pessoas foram assassinadas. O domingo (26), com 11 mortes, foi o segundo dia mais violento, seguido da segunda-feira (27), com 8 mortes; da sexta-feira (24), com 7 mortes, e do sábado (25), com 4 mortes. Na quarta-feira (1º), até o meio-dia, nenhum homicídio foi registrada. 

A cidade que lidera em número de mortes violentas no Carnaval é Maceió, com um total de 18 vítimas fatais. No ano passado, esse número foi bem menor, com o registro de cinco mortes. Em 2015, no mesmo período em Maceió, foram contabilizados nove homicídios. 

As cidades de Delmiro Gouveia, Murici e Teotônio Vilela vêm logo atrás, com um total de três vítimas cada. Já Arapiraca, Colônia Leopoldina e Porto Real do Colégio registraram duas mortes cada uma durante as festas de Momo. 

De acordo com o secretário de Segurança Pública, coronel Lima Júnior, dos casos de mortes violentas registrados no estado, apenas dois aconteceram em áreas onde eram realizados festejos carnavalescos. Os demais, segundo ele, estão diretamente ligados à guerra de facções que tem acontecido em Alagoas. 

“Registramos um aumento significativo de CVLIs durante o carnaval, mas a grande maioria aconteceu fora das zonas de festa. Muitos desses crimes tinham ligação com facções criminosas. No de Murici, a vítima era ex-presidiário e teria ameaçado o autor por conta do tráfico de drogas na cidade”, destacou Lima Júnior.

Além dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), Alagoas também registrou 28 tentativas de homicídio e 8 acidentes de trânsito em rodovias estaduais e em vias públicas de cidades alagoanas. Durante as ocorrências atendidas pela Polícia Militar no Carnaval, 27 armas foram apreendidas. No total, a SSP recebeu 92 denúncias das mais variadas. 

Bombeiros

Durante a coletiva o Corpo de Bombeiros Militar (CBM) apresentou os números de ocorrências atendidos durante o período carnavalesco e constatou um aumento de 10,2% em relação ao ano anterior, principalmente nos dados referentes a incêndios, que subiu cerca de 580% em comparação com o mesmo período de 2016.

De acordo com o coronel Cruz, do CBM, a maioria dos incêndios foram registrados em áreas de vegetação e que o clima seco e as altas temperaturas facilitam a propagação do fogo. Segundo ele, todos os focos registrados estão sendo investigados para determinar se o fogo foi criminoso ou natural. 

Cruz também salientou que esse ano o planejamento teve como foco o combate à incêndios, pois levantamentos anteriores mostravam um crescimento nesse tipo de ocorrência. Já os números de afogamentos houve uma redução, quando em 2017 foram registrados 18 ocorrências, no ano passado o CBM contabilizou 49 afogamentos.

“Apesar de ser um período onde grande parte dos foliões buscam curtir o carnaval nas cidades litorâneas, o grande foco esse ano foi o combate à incêndios. Houve uma redução significativa no número de atendimento à vítimas de afogamentos”, concluiu.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário