curso para operar no mercado forex estratégia volcano trader como usar a plataforma mt5 pata operar trade corretores opções binárias quero pagar um trader para operar pra mim quero alguem para operar day trade pra mim operando com fabio almeida trader quais os melhores trading de forex no brasil como operar no fast trade estratégia para 1 hora em opções binárias melhor plataforma para opcoes binarias operando day trade celular plataforma trader operando por robo trading on forex australia corretora para investir day trade 2019 como investir em opçoes com pouco dinheiro jota trader operar congestao online forex trading affiliate program
Home Alagoas Caso Capitão Rodrigues: audiência será retomada na próxima sexta (17), no Fórum da Capital

Caso Capitão Rodrigues: audiência será retomada na próxima sexta (17), no Fórum da Capital

Por Alagoas Brasil Noticias

Juiz deverá ouvir testemunhas de defesa e o réu, Agnaldo Lopes de Vasconcelos; sessão terá início às 8h, no Salão do 3º Tribunal do Júri <> Atualizado <> ABN ás 20:36

Audiência realizada na última sexta-feira (10), no Fórum de Maceió <> Foto: Caio Loureiro

A audiência de instrução do processo que investiga a morte do capitão da Polícia Militar de Alagoas Rodrigo Moreira Rodrigues terá continuidade na próxima sexta (17), a partir das 8h, no Fórum de Maceió. A sessão será conduzida pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim, titular da 9ª Vara Criminal.

    Deverão ser ouvidas cinco testemunhas de defesa, além do próprio réu, Agnaldo Lopes de Vasconcelos. A audiência do processo foi iniciada no dia 27 de janeiro, quando foram ouvidas testemunhas indicadas pela acusação.

    Na última sexta (10), a sessão teve prosseguimento, tendo sido ouvidas testemunhas arroladas tanto pelo Ministério Público quanto pela defesa do acusado.

O caso

    O crime ocorreu em abril de 2016, no bairro Santa Amélia, em Maceió. De acordo com os autos, o capitão da PM foi baleado durante uma abordagem na casa do acusado, no Conjunto Jardim Petrópolis II. A polícia rastreava um celular roubado, que não estava na residência, mas acabou sendo encontrado nas redondezas.

    O advogado de defesa Joanísio Pita de Omena Júnior sustenta que o réu agiu em legítima defesa. “A partir do momento que se comprovou que o celular roubado não se encontrava na residência do Agnaldo, existia uma operação ilegal da Polícia. A casa é asilo inviolável do cidadão. Era um sábado, 10 horas da noite. A partir do momento que o cidadão vai pular o muro, há uma invasão de domicílio”, disse o advogado na audiência da última sexta.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário