ios forex trading plattform forex trading books for beginners pdf o que um trader dos investimentos graficos das corretoras de opçoes binarias planilha de gerenciamento de risco em opções binárias operando com meta trader op teck opçoes binarias como operar na olymp trade empresas que operam para day trade trade and investment policy qual o valor minimo para investir em uma ação binaria auto trader opções binarias como entender o grafico de opçoes binarias optionbr2 opções binárias forex estratégias completas clesio freitas como operar no swing trade como operar swing trade da melhor forma
Home NotíciasPolitica ‘ESCRITÓRIOS’ DE BENEDITO E RENAN CUSTAM R$ 5,5 MILHÕES POR ANO EM ALAGOAS

‘ESCRITÓRIOS’ DE BENEDITO E RENAN CUSTAM R$ 5,5 MILHÕES POR ANO EM ALAGOAS

Por Alagoas Brasil Noticias

BIU E RENAN CONTRATAM ASPONES E JORNALISTAS COM VERBA PÚBLICA <> Por Davi Soares <> ATUALIZADO ABN <> ÁS 06:36SENADORES LOTAM FILHOS DE ALIADOS E BLOGUEIRO EM FUNÇÕES SEM CONTROLE DE FREQUÊNCIA EM ALAGOAS (FOTOS: ANA VOLPE/AGENCIA SENADO E FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR)

Um batalhão de 70 servidores comissionados lotados em ‘escritórios de apoio’ dos senadores Benedito de Lira (PP-AL) e Renan Calheiros (PMDB-AL) em Alagoas custa R$ 5,5 milhões por ano aos alagoanos. O grupo tem dispensado o controle de ponto e média salarial varia entre R$ 5,2 mil e R$ 9,4 mil. Só o senador Fernando Collor (PTC) não tem escritório de apoio com servidores em Alagoas.

Escolhidos pelo critério prioritariamente político, para abrigar aliados e cabos eleitorais fiéis, 48 pessoas lotadas no gabinete do senador Biu de Lira receberão, em um ano, mais de R$ 3 milhões. Enquanto que os generosos salários dos 22 assessores do senador Renan Calheiros, custarão quase R$ 2,5 milhões aos cofres públicos.

A soma de salários mais ajuda de até R$ 1.040 para a alimentação dos 22 servidores do escritório de apoio de Renan em Alagoas resulta em R$ 207,1 mil mensais. Uma média de custo mensal de R$ 9,4 mil com cada um dos servidores “especiais” do senador do PMDB.

A mesma soma feita com os 48 servidores do escritório de Benedito de Lira resulta em uma folha de R$ 253,2 mil, com uma média mensal de R$ 5,2 mil de custo por servidor do senador do PP.

OCEAN TOWER SEDIA ESCRITÓRIO DE BIU DE LIRA (IMAGENS: GOOGLE)

PERFIL E REGIME ‘ESPECIAIS’

Através de pedido expresso dos senadores, tais servidores do Senado atuam sob “regime especial de frequência”, sem registro de ponto. Porém teriam que trabalhar, em tese, de sete a oito horas por dia.

Mas, um ex-servidor do escritório de Renan explica como funciona o tal regime especial, na prática: “Trabalhar mesmo, só uma minoria. O resto só vai quando o senador convoca, ou está em Maceió”.

O perfil dos ocupantes dos cargos de quem trabalha nos escritórios de apoio legislativo localizados na área nobre da capital alagoana é comum a ambos os senadores, com muito político e seus parentes.

No escritório de apoio do senador Benedito de Lira, por exemplo, tem gente como Mayara Ferro Barbosa (R$3 mil mensais), que é filha do ex-prefeito de Limoeiro de Anadia, James Marlan Ferreira Barbosa (PP); tem Lívia Costa Saleme (R$5,1 mil), esposa do sobrinho do senador e suplente de vereador César Lira (PSD), e também Eudo Morais Freire Filho (R$3 mil), presidente do PSDC em Alagoas.

Veja a lista completa do escritório de Benedito de Lira:

 

No escritório do senador Renan tem a Rita de Cássia Lins Tenório (R$14,1 mil mensais), ex-vice-prefeita de Murici na gestão do atual governador Renan Filho; tem Paulo Leão (R$13,3 mil), filho do ex-prefeito de Arapiraca Severino Leão; Thais Canuto (R$5,1 mil), filha do ex-deputado federal e ex-prefeito do Pilar, Carlos Alberto Canuto (PMDB); Pedro Lisboa (R$6,2 mil), filho do prefeito de Paulo Jacinto, Marcos Lisboa; Marcella Perrelli Freitas (R$11,5 mil), filha do prefeito de União dos Palmares Areski Freitas (PMDB); além do filho do blogueiro de política Bernardino Souto Maior, Flávio Henrique Morais Souto Maior (R$5,1 mil).

Mesmo com dois jornalistas e um fotógrafo na assessoria local de imprensa, o escritório de apoio de Renan ganhou o reforço do blogueiro Edivaldo Júnior, recém nomeado em fevereiro como “auxiliar parlamentar pleno”, R$9,2 mil mensais. Apesar do reforço na comunicação, o trabalho de atendimento à imprensa segue conduzido pelos jornalistas Plínio Lins (R$16,7 mil) e José Valderi de Melo (R$6,2 mil).

Veja quem está no escritório de Renan:

 

Duas mulheres ocupam as funções mais altas do escritório de Benedito de Lira, são Ana Cristina Rodrigues de Oliveira e Maria Goreth Rocha de Morais, ambas com salário bruto de R$ 10,4 mil.

Já o cargo mais alto do escritório de Renan Calheiros é do presidente em Alagoas da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), braço “acadêmico” do PMDB, Carlos Ricardo Nascimento Santa Ritta, que foi acusado de ser “laranja” do ex-presidente do Senado, na compra de uma rádio, há cerca de dez anos.

ESCRITÓRIO E PARTIDO

RENAN USA DINHEIRO DO SENADO PARA BANCAR ESCRITÓRIO NA SEDE DO PMDB

Enquanto a Câmara Federal proíbe deputados de aparelharem seus partidos com cargos de escritórios de apoio dos parlamentares em seus estados de origem, o senador Renan Calheiros utiliza a sede do PMDB como escritório de apoio, na Rua Paulina Maria Mendonça nº 816, em Mangabeiras.

No escritório híbrido de Renan, a economia do fundo partidário é inversamente proporcional ao zelo com a verba do Senado, que paga todas as despesas da sede do PMDB, cerca de R$ 3,5 mil mensais.

O prédio é do secretário do Gabinete Civil do governador Renan Filho (PMDB), Fábio Farias, que também é 1º suplente do senador Renan. Ele recebeu, em janeiro, R$ 3,9 mil pelo aluguel do imóvel, que não aparece como casa ou prédio comercial na sua declaração de bens prestada em 2014 à Justiça Eleitoral, mas que o proprietário garantiu ao Diário do Poder ter registrado, sim, entre seus bens, como terreno, e não como uma casa, porque é um bem antigo.

A sede do escritório de apoio do senador Benedito de Lira fica em duas salas do edifício Ocean Tower, no início da Orla Marítima de Pajuçara, à Avenida Doutor Antônio Gouveia, 61. As salas são alugadas por R$ 3,9 mil mensais ao advogado João Lippo Neto, e também tem despesa de quase R$ 500 de condomínio.

SEM RETORNO?

O Diário do Poder enviou perguntas às assessorias de comunicação dos senadores, questionando: Como e quem faz o controle efetivo da produtividade da equipe? O que fazem essas pessoas para honrar o dinheiro público recebido? Qual o critério de escolha dos nomeados? Como o senador avalia a dimensão desse custo? E como o contribuinte pode medir o retorno desse gasto para Alagoas?

Somente a assessoria do senador Renan respondeu da seguinte forma: “As nomeações para o Escritório de Apoio do senador Renan Calheiros em Maceió, para assessoramento no desempenho do mandato, são feitas em estrita obediência à Lei, ao Regimento Interno e à política de transparência por ele implantada quando Presidente do Senado Federal. São normas que valem para todos os senadores”

A assessoria de imprensa de Benedito de Lira disse ao Diário do Poder que não conseguiu contatá-lo por telefone.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário