Anadia/AL

4 de agosto de 2021

Anadia/AL, 4 de agosto de 2021

Niall Horan, do grupo One Direction, anuncia primeiro disco solo

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 16 de setembro de 2017

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
CAÇÇ
 AdoroCinema <> ABN

Recordista de bilheteria e título mais comentado do momento entre os cinéfilos, It – A Coisa tirou rapidamente Stephen King da fossa do fracasso de A Torre Negra, aumentou a incidência de coulrofobia, apresentou ao mundo uma nova turma de crianças adoráveis, destruiu o verbo “flutuar” e deu uma vontade danada de pular 2018 para encontrar logo os personagens adultos em It – A Coisa 2. Calma. Que tal na verdade voltar à matéria-prima, o livro publicado por King em 1986, e conhecer as maiores diferenças entre o texto e o filme de Andy Muschietti? Caso não tenha visto ainda e não queira spoilers, pegue sua bike e vá embora.

A época

No livro a infância do Clube dos Otários é nos anos de 1957 e 1958, enquanto no longa o período é alterado para 1988 e 1989. Com isso a reaparição de Pennywise (Bill Skarsgård) e o reencontro da turma em It 2 se dará em 2016. O texto de King narra paralelamente os embates deles crianças e adultos contra o palhaço dançarino, mas a adaptação adotou a narrativa linear simples e as versões maiores dos personagens aparecerão apenas na sequência – os atores mirins, no entanto, estão confirmados pelo diretor em flashbacks.

Georgie

O público compreende o fim de Georgie (Jackson Robert Scott), mas seu corpo jamais é encontrado, o que deixa Bill Denbrough (Jaeden Lieberher) com uma melancólica esperança que acaba sendo usada contra ele pelo vilão. No livro o menino não é puxado para dentro do esgoto e sim morre mutilado na rua. Um vizinho até tenta socorrê-lo, sem sucesso.

Formas de Pennywise

Algumas aparições de Pennywise assumindo os maiores medos secretos dos meninos realmente ocorrem, porém as principais e mais eficazes são como criaturas assustadoras da sétima arte: o Lobisomem, o Tubarão, a Múmia, o Monstro da Lagoa Negra, Rodan, Drácula e Frankenstein. Além da necessidade de mais investimento em efeitos, a opção pelo uso dos monstros exigiria uma complicada negociação com a Universal, que tem os direitos de vários e está tentando criar o Universo Monstros.

Henry Bowers

Por incrível que pareça, Henry (Nicholas Hamilton) é ainda mais cruel na literatura. Além da perseguição racista a Mike (Chosen Jacobs) e dos cortes em Ned (Jeremy Ray Taylor), ele envenena o cachorro do primeiro, quebra o braço de Eddie (Jack Dylan Grazer) e agride Stanley (Wyatt Oleff). O relacionamento com o parceiro sociopata Patrick Hockstetter (Owen Teague) tem um lado sexual e seu pai também não é policial e sim um ex-militar racista e psicótico que agride a esposa. A queda de Henry no poço é outra novidade. No livro ele é preso ainda em 1958 pela série de mortes em Derry e foge em 1985 obcecado em assassinar todos os Otários, sob forte influência maligna de Pennywise. Eddie o mata em legítima defesa.

Ben e Mike

No longa o tímido Ben é o “rato de biblioteca”, cheio de mapas e recortes de jornal no quarto, mas no texto na verdade é Mike quem investiga o passado e apresenta aos colegas evidências da presença da “Coisa” em Derry há muito tempo. O diretor Andy Muschietti, no entanto, já confirmou que a versão amadurecida de Mike será um bibliotecário, indo de encontro às palavras de King. Único a ficar na cidade assombrada, o órfão será não apenas o guardião do conhecimento em relação às ações de Pennywise, como também o responsável por tentar encontrar uma maneira de derrotá-lo. Mais sombrio, o personagem terá sérios problemas com drogas na Parte 2, algo que não está na história original.

Tem quem ache que a Tartaruga está presente

O auxílio

Maturin, a Tartaruga (personagem de A Torre Negra), uma das criadoras do universo e inimiga de It, ajuda Bill a entender como pode derrotar o vilão com o Ritual de Chüd. Nem o ser, nem o Ritual de Chüd, a tal batalha psíquica capaz de acabar com o palhaço, passaram do livro para o filme, porém o diretor já deu indícios de que essas informações serão usadas na sequência a partir de Mike, que vai tomar conhecimento do ritual em suas décadas de pesquisa.

A comunhão

Sem surpresa alguma, a passagem mais controversa do livro foi deixada de fora do longa. Enquanto estão perdidos no esgoto à procura da saída após o embate com Pennywise, Beverly (Sophia Lillis) toma a iniciativa de transar com os seis meninos numa orgia fortalecedora de laços idealizada para “relacionar a infância e a idade adulta”, de acordo com King. O grande momento de comunhão do grupo na tela é o pacto de sangue, a despedida com encontro marcado. A cena está no papel com uma diferença: é Stan e não Bill quem corta a mão dos amigos. Quem leu sabe o quanto esse detalhe é importante…

 
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter