Home Geral Promotor acusado de estupro contra as filhas tem Habeas Corpus negado

Promotor acusado de estupro contra as filhas tem Habeas Corpus negado

Por Alagoas Brasil Noticias

Por Gabriela Flores > 01/01/2017. 18:21

Ex. Promotor de Justiça de Anadia > Carlos Fernando > Foto: Arquivo – Divulgação

O desembargador Celyrio Adamastor Tenório Accioly, vice-Presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), negou neste domingo, 31, o pedido de Habeas Corpus em favor do promotor de Justiça Carlos Fernando Barbosa de Araújo.

Carlos Fernando foi condenado por  três estupros e oito atentados ao pudor, cometidos continuadamente contra duas filhas e uma enteada, além de produção de pornografia infantil.

Carlos Fernando quando preso pelo Tigre

Segundo o pedido impetrado por Paulo George Moreira dos Santos em favor de Carlos Fernando Barbosa de Araújo, o réu foi condenado à pena de 76 anos e cinco meses de reclusão, tendo, na oportunidade, sido negado a ele o direito de recorrer em liberdade. Nesse particular, articulou que o paciente encontra-se recolhido no Sistema Prisional Alagoano, especificamente na unidade Baldomero Cavalcanti, fato que representa afronta e desrespeito às suas prerrogativas como promotor de justiça”.

O advogado pediu a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar com uso de monitoramento eletrônico com raio zero. Diante do exposto o vice-presidente do TJ entendeu que “não se verifica qualquer fundamentação que justifique a intervenção excepcional deste plantonista, razão pela qual não conheço do pedido liminar de soltura, em favor de Carlos Fernando Barbosa de Araújo”.

O caso

Em novembro de 2015,  o Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) condenou o promotor de Justiça  a 76 anos e cinco meses de reclusão, por três estupros e oito atentados ao pudor, cometidos continuadamente contra duas filhas e uma enteada, além de produção de pornografia infantil. Na decisão também foi determinada a perda definitiva do cargo e a prisão imediata do réu.

O MPE afirmou que a primeira vítima, filha do réu, começou a ser abusada sexualmente em 1993, quando tinha 12 anos, perdurando até 2003. A vítima relatou que a primeira agressão aconteceu enquanto ela dormia e foi acordada por seu pai lhe fazendo sexo oral. Segundo os depoimentos, ao longo dos anos, o réu abusava das filhas em atos cotidianos como banhos.

Em 2003, já maior de idade, a filha teve conjunção carnal com o pai. Ela afirmou que Carlos Fernando levou-a para um motel e convenceu de que lhe “deixaria em paz” após o ato, praticado após ingestão de bebidas alcoólicas por ambos.

“Essa é a história de três jovens que perderam a sua infância”, lamentou o procurador Antiógenes Lira. “O Ministério Público pede a condenação do réu em homenagem ao Direito e à Justiça, e em nome de tudo o que é moral e sagrado na família”, afirmou.

No processo, a filha agredida contou que a demora de anos para fazer a denúncia se deve ao medo da posição social do pai. Quando notou que a irmã (de criação, enteada do promotor) dava sinais de que estava sofrendo abusos, resolveu procurar a Justiça.

A terceira vítima, filha de Carlos Fernando, foi abusada com quatro anos de idade. Ela chegou a relatar para a mãe o que acontecia durante os banhos que tomava junto com o pai. Por meio da investigação administrativa do MPE, foram achadas fotos das crianças em trajes íntimos.

Após o resultado do julgamento, Carlos Fernando fugiu e só foi localizado e preso em março de 2015, na cidade de Macapá, no Amapá.

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário