Home Brasil Julgamento de habeas corpus de Lula pode cair nas mãos de ministro alagoano

Julgamento de habeas corpus de Lula pode cair nas mãos de ministro alagoano

Por Alagoas Brasil Noticias

O julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula, impetrado hoje no Superior Tribunal de Justiça (STJ) poderá cair nas mãos do alagoano Humberto Martins. 

Mas segundo Bergamo, as apostas, no entanto, são de que o magistrado preferirá esperar pela volta dos colegas, no dia 1º de fevereiro.

No julgamento do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), os desembargadores afirmaram de forma clara que Lula dever ser preso assim que os recursos que seus advogados apresentarem à corte forem julgados.

O pedido de habeas corpus, busca evitar que isso ocorra antes que os tribunais superiores de Brasília esgotem a discussão do caso.

A defesa pretendia num primeiro momento esperar que os embargos de declaração que fará ao TRF-4 fossem apresentados para só então decidir se pediria um habeas corpus ao STJ.

Decidiu entrar hoje com o recurso depois que vários habeas corpus foram apresentados por pessoas desconhecidas, que não têm qualquer relação com Lula ou com os advogados que o representam.

Caso Fischer negue o pedido, o caso será encaminhado à 5a Turma do STJ, também considerada alinhada com a Lava Jato.

Em caso de nova derrota, os defensores de Lula devem então entrar com pedido de habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal).

O caso será analisado pelo ministro Edson Fachin num primeiro momento. Ele pode tanto decidir sozinho como encaminhar o caso à 2ª Turma do STF ou até mesmo ao plenário do tribunal.

A 2ª Turma é integrada por ministros que têm concedido habeas corpus e portanto a liberdade a presos por entender que a prisão depois de julgamento por um tribunal colegiado, a chamada segunda instância, é possível mas não obrigatória. E deve ser justificada.

De acordo com a defesa de Lula, a decisão do TRF-4 é inconstitucional e contraria o Código de Processo Penal, uma vez que ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal (quando não cabem mais recursos). Os advogados também mencionam tratados internacionais que garantem a presunção de inocência.

Os advogados também alegam que “a fundamentação dessa condenação colide com os padrões nacionais e internacionais relativo aos crimes financeiros”, que não houve ato de ofício no caso do tríplex ou entrega de qualquer bem ou valor que caracterize a prática de lavagem de dinheiro.

Sobre o uso da Teoria do Domínio do Fato pelos juízes do TRF-4, a defesa argumenta que a utilização foi feita “para superar a ausência da prova de culpa e para desprezar a prova da inocência”. Eles também questionam a não realização de prova pericial, conforme previsto na legislação penal.

Em relação ao aumento da pena de Lula, que foi elevada para 12 anos e um mês, a defesa afirma que houve “evidente finalidade de evitar a prescrição da pretensão punitiva”, ou seja, para que a pena não deixasse de ser cumprida. 

O MELHOR ATENDIMENTO ! PANIFICAÇÃO IDEAL – ANADIA !

Fonte: TNH1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário