Home Alagoas Alagoanos terão que se vacinar contra febre amarela em 2019

Alagoanos terão que se vacinar contra febre amarela em 2019

Por Alagoas Brasil Noticias

Municípios alagoanos serão cobertos pela vacina contra febre amarela a partir de fevereiro de 2019 (Foto: Sandro Lima)

Mais de 2,6 milhões de alagoanos precisarão se vacinar contra a febre amarela a partir de fevereiro de 2019. A recomendação foi anunciada na tarde desta terça-feira (20) pelo ministro da Saúde Ricardo Barros. Segundo o cronograma do Ministério da Saúde, todo o país será imunizado de forma gradativa, de acordo com a produção e distribuição das doses.

A vacinação no estado será feita com a dose integral da vacina, e não de forma fracionada como é feito atualmente. Conforme o Ministério, 101 municípios serão cobertos com a vacinação, exceto Delmiro Gouveia, que já tinha entrado como área de recomendação, por conta da proximidade com o estado da Bahia (área afetada).

O Ministério da Saúde informou que os estados de São Paulo e Bahia terão a cobertura de vacinação em todos os municípios, com as doses fracionadas. No Rio de Janeiro já havia a recomendação de vacinação para todos os municípios. Nesta etapa, 40,9 milhões de pessoas serão alcançadas, segundo estimativa do órgão.

A partir do segundo semestre deste ano a vacinação padrão, isto é, com doses totais da vacina será adotada nos estados da região Sul do país, atingindo 11,3 milhões de pessoas.

A região Nordeste entra na programação a partir de janeiro do ano que vem, exceto o Maranhão, onde já havia a recomendação de vacina. A estimativa é que um total de 25,3 milhões de pessoas sejam vacinadas, de acordo com o Ministério.

Com a ampliação da vacinação, o órgão calcula que 77,5 milhões de brasileiros sejam imunizados em 1.586 municípios.

Segundo o Ministério da Saúde, desde julho do ano passado Alagoas teve oito casos notificados da doença. Até agora, dois foram descartados e seis seguem em investigação.

Mas de acordo com a gerente de Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Daniele Castanha, não há motivo para preocupação, pois todos os casos já foram descartados clinicamente.

O aumento no número de notificações se deve pelo maior controle na investigação dos casos onde pacientes apresentam sintomas similares ao da febre amarela e estiveram em áreas afetadas.

“O que ocorre é que tem havido um maior cuidado na notificação desses casos pelos médicos, que ao perceberem os sintomas em pessoas que estiveram em áreas atingidas realizarem a notificação. A orientação é colher o material e enviar para a análise e isso leva um certo tempo. Mas cabe ressaltar que Alagoas não é área de circulação do vírus nem de forma silvestre nem urbana”, esclarece.

“Quanto mais a gente imunizar, melhor”, diz técnica da Sesau

A gerente de Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Daniele Castanha, avalia a mudança como positiva.

“Visto o número de casos do Brasil, quanto mais a gente imunizar, melhor, porque aí a gente vai ter toda a população imunizada e não corre o risco de que casos cheguem aqui. O que a gente precisa realmente é do apoio da população porque a gente percebe uma procura maior quando há casos. Mas por exemplo, outras vacinas que a gente tem de rotina, a população não procura muito. A gente tem vacina disponível e cobertura baixa. Parece que quando a coisa é proibida a população procura mais, ou quando acontece um caso. Quando há risco iminente, aí há procura”, destaca.

Segundo Daniele Castanha, apesar do anúncio, ainda é necessário que o Ministério da Saúde comunique oficialmente à Secretaria, fornecendo a estratégia de cobertura.

“A gente não sabe ainda qual a estratégia, mas vai ser para toda a população, gradativa e deve entrar na rotina. A gente ainda não foi informada a faixa etária, estamos esperando o Programa Nacional de Imunização sinalizar. Como a previsão para Alagoas é 2019, acreditamos que o Ministério vai fazer esse contato e definir isso ao longo do ano”, explica.

No município de Delmiro Gouveia, onde houve a recomendação de vacina em janeiro deste ano, o processo de imunização não será alterado, afirma a gerente.

“Para Delmiro já está na lógica da rotina. O Ministério manda cotas mensalmente e é para vacinar toda a população, então eles fizeram um projeto de como vacinar toda a população de forma gradual, ao longo do ano”, diz.

Fonte: Tribuna Independente / Evellyn Pimentel

 

 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário