Home NotíciasSaúde Aumenta o número de autorizações para doação de órgãos, em Alagoas

Aumenta o número de autorizações para doação de órgãos, em Alagoas

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Carla Cleto/Agência Alagoas

Alagoas vem registrando queda na taxa de recusa familiar para doação de órgãos para transplantes. De acordo com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), o índice de negativas caiu de 71% em 2016, para 44% em 2017. Isso significa que, em um ano, o número de famílias que autorizaram a doação de órgãos de parentes com morte encefálica subiu 27%, o que leva o Estado a acompanhar o cenário nacional, cujo percentual corresponde a 42%.

“Atribuímos esses bons números ao trabalho de nossa equipe e, principalmente, às campanhas de conscientização que temos feito, que nos permitiram alcançar um público de diversas faixas-etárias.

A Central de Transplantes de Alagoas e a Organização de Procura de Órgãos (OPO) vêm trabalhando incansavelmente, tanto para garantir a integridade de todo o processo, quanto a agilidade para que os órgãos cheguem aos receptores”, destacou Daniela Ramos, coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas.

Contudo, 493 pessoas ainda estão na fila de espera por um órgão em Alagoas. Destas, 318 esperam para receber um rim, 173 para receber uma córnea e duas aguardam por um coração.

Portanto, para que a doação ocorra, é indispensável a autorização dos familiares. Por isso, um meio para ampliar a doação no Estado, de acordo com Daniela Ramos, seria que as pessoas que já tenham a consciência da importância da doação de órgãos declarassem aos seus familiares e amigos que desejam ser doadores.

“O cidadão que deseja ser doador não precisa assinar nem pagar nada, basta comunicar sua família para que, caso necessário, o procedimento seja autorizado. Para doações em vida, o doador deve ter mais de 18 anos de idade e o receptor deve ser cônjuge ou parente consanguíneo”, explicou.

Apesar de difícil, esse tipo de conversa familiar não deveria ser adiado para situações de emergência, pois, num momento de grande comoção a família pode ficar em dúvida sobre o que fazer, caso não existam consensos prévios.

“O desconhecimento da vontade do doador, a questão religiosa e, muitas vezes, o conflito entre os familiares, visto que uns aceitam, enquanto outros não, são alguns dos obstáculos que impossibilitam a realização dos transplantes de órgãos”, afirmou.

Apesar da ênfase emocional das campanhas públicas de incentivo à doação, é preciso que as pessoas saibam como ocorre todo o processo. A doação de órgãos ocorre quando há morte encefálica, que segue um rígido protocolo de exames clínicos e laboratoriais, em que a equipe médica especializada constata que a situação é irreversível.

Um único doador em morte encefálica pode, ao mesmo tempo, ajudar várias pessoas. Isso porque, todos os órgãos e tecidos autorizados pela família serão destinados a vários receptores, inscritos em filas de espera.

Quem arca com os custos dos procedimentos relacionados aos transplantes é o Sistema Único de Saúde (SUS), que também se responsabiliza pelo fornecimento, durante toda a vida, das medicações necessárias para evitar a rejeição do órgão transplantado. Nem a família do doador e nem a do receptor devem pagar para que os procedimentos sejam realizados.

Os órgãos e tecidos doados são removidos por meio de uma cirurgia. Portanto, a doação não desfigura o corpo, que pode ser velado normalmente, podendo, inclusive, ser cremado. A coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas acrescentou que, para o sucesso do transplante, é necessário o uso dos imunossupressores, que irão adequar o sistema imunológico e evitar a rejeição do órgão.

Além disso, é preciso cuidar das consultas, exames médicos periódicos e alimentação rica em cores variadas, que contenham proteínas, vitaminas e minerais, ingeridos de forma equilibrada, seguindo os horários, as orientações e cuidados.

“A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de órgãos é vital para melhorar a realidade dos transplantes no Estado”, concluiu.

Fonte: Sete segundos

 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário