Home Mundo ‘Em Gaza, não há inocentes’, diz ministro israelense para justificar matança

‘Em Gaza, não há inocentes’, diz ministro israelense para justificar matança

Por Alagoas Brasil Noticias

Na Faixa de Gaza, “não há inocentes” – declarou, neste domingo (8), o ministro israelense da Defesa, Avigdor Lieberman, ao se referir às mortes de palestinos nas últimas duas sextas-feiras, em confrontos que deixaram 28 mortos.

“Todos estão conectados com o Hamas”, afirmou, referindo-se ao movimento islamista que controla o território palestino situado entre Israel, Egito e o mar Mediterrâneo. “Todos recebem um salário do grupo, e todos os militantes que tentam nos desafiar e ultrapassar a fronteira são militantes do braço armado do Hamas”, afirmou Lieberman.

Em 30 de março, 19 palestinos foram mortos a tiros por militares israelenses na fronteira de Israel com a Faixa de Gaza.

Em 5 de abril, os disparos dos franco-atiradores de elite israelenses mataram outros nove palestinos, entre eles um jornalista.

 

Colegas do jornalista Yasser Murtaja, morto no conflito, carregam seu corpo durante funeral em Gaza. (Foto: Suhaib Salem/Reuters)

Colegas do jornalista Yasser Murtaja, morto no conflito, carregam seu corpo durante funeral em Gaza. (Foto: Suhaib Salem/Reuters)

Ao todo, 30 palestinos morreram desde 30 de março por disparos israelenses: os 28 nos confrontos das últimas duas sextas e dois em outros incidentes.

Israel afirma que os soldados israelenses, que não registraram qualquer baixa, abriram fogo apenas contra palestinos que tentavam se infiltrar no território israelense e para impedir ataques.

Marcha do Retorno

O dia 6 de abril registrou o segundo grande protesto convocado pelo Hamas na região em uma semana. Na série de manifestações, chamada “Grande Marcha do Retorno”, os palestinos repudiam o bloqueio de Israel, imposto há mais de uma década, e reivindicam o direito de retorno dos refugiados e seus descendentes às terras de onde foram expulsos ou fugiram após a criação do Estado de Israel, em 1948.

O governo israelense, no entanto, acusa o Hamas de usar os protestos para atacar a fronteira e advertiu que quem se aproximar da cerca estará colocando a vida em risco. Israel descarta ainda o direito de retorno dos palestinos, temendo que o país possa perder a maioria judaica.

Israel reforçou suas forças na fronteira com Gaza e avisou aos manifestantes para não se aproximarem das barreiras de segurança (Foto: Jack Guez/AFP)

FONTE: G1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário