vale apena investir a2 trader codigo de recolimento do ir sobre operações de trader obtendo consistencia nos ganhos em opçoes binarias da para compensar ir de day trade com operações comuns opções binárias a cada 9 velas day trader opera com 200 robos onde declarar operações day trade comissão opções binárias xm video do.dante operando como trader da unick papel de parede notebook trader investimento operar day trade com 100 opçoes binarias pra vendas opções binárias com bônus de abertura metatrader 5 operar swing trade forex h1 trading system trovo opções binárias no minhateca investir em opções binarias brasil
Home NotíciasPolitica De olho na Presidência, Rebelo filia-se à sigla de Paulinho da Força

De olho na Presidência, Rebelo filia-se à sigla de Paulinho da Força

Por Alagoas Brasil Noticias

O ex-ministro de Lula e Dilma ficou pouco mais de 6 meses no PSB – Foto: Jaélcio Santana e Tiago Santana 

Nem comunista nem capitalista nem “comunista quase capitalista”, Aldo Rebelo não aceita nenhuma das três etiquetas. A expressão, usada pelo presidente do Solidariedade, o deputado Paulinho da Força, ao apresentá-lo como o pré-candidato da legenda, não foi corroborada pelo ex-ministro dos governos Dilma e Lula, que prefere a livre interpretação sobre sua posição política.

PUBLICIDADE

“Eu não respondo por ele (Paulinho). Me vejo como alguém que tem compromisso com o país, com o desenvolvimento do Brasil, com o direito dos trabalhadores e do povo e com a democracia. Se isso é capitalismo ou socialismo, isso é uma coisa livre, qualquer um ache o que quiser”, comentou o pré-candidato à Presidência pelo Solidariedade a CartaCapital

A expressão usada está relacionada com os rumos partidários de Rebelo nos últimos tempos. Depois de passar 40 anos no PCdoB, ocupando papéis de destaque no partido e nos governos petistas, ele alterou sua morada política duas vezes em seis meses e meio. A primeira ao deixar a sigla comunista e filiar-se ao PSB, em setembro do ano passado, e, neste mês, com sua nova migração, agora para o Solidariedade.

A despedida do PCdoB, segundo ele, ocorreu por “divergências na agenda a ser seguida” numa possível pré-candidatura de seu nome, especulada em 2016. “Eu sempre fui muito nacionalista e talvez para a agenda moderna da esquerda isso seja um tanto antiquado”, comenta.

Hoje o posto de pré-candidata da legenda comunista é ocupado pela deputada estadual Manuela D’Ávila, do Rio Grande do Sul.

PUBLICIDADE

Embora sua passagem pelo PSB tenha sido meteórica – seis meses e meio –, Rebelo não admite que se trata de um “erro de cálculo”. “Eu tinha muita identidade com o PSB. Trabalhei com Eduardo Campos, na liderança do governo e quando fomos ministros no governo Lula. Também tinha muita relação com o [Miguel] Arraes. Minha ida para o partido foi uma opção muito lógica devido a minha identidade com o PSB”.

As pretensões do ex-ministro eram claras desde os primeiros meses na nova legenda. Em janeiro Rebelo escreveu carta ao presidente do partido, Carlos Siqueira, se colocando à disposição para ser o candidato ao Palácio do Planalto. No entanto, naquela época já havia um impasse interno: o partido vivia um namoro antigo com outro nome, o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa para o posto que Rebelo pleiteava.

Com a filiação de Barbosa em 6 de abril, Rebelo anunciou sua saída da legenda e deixou claro em uma rede social que a decisão estava ligada com a inclinação dos socialistas pelo ex-magistrado na pré-disputa. “Vejo a candidatura [do Joaquim Barbosa] como legítima, mas naturalmente não é a candidatura com a qual eu me identificaria”, respondeu. 

O PSB ainda não oficializou o nome de Barbosa para o posto que levou a mudança de legenda de Rebelo, mas as lideranças do partido demonstram empolgação com sua pré-candidatura. 

PUBLICIDADE

O Solidariedade, por sua vez, surgiu como alternativa ao desejo de ser o pré-candidato. Rebelo diz que embora não tivesse recebido convites anteriores da legenda, diz haver uma identificação de longa data entre os líderes políticos do partido e ele.

Ele cita a época que foi relator do Código Florestal, em 2011, e o apoio dado pela Força Sindical ao seu relatório. A mais recente demonstração de afinidades, conta o ex-ministro, foi ano passado ao lançar o Manifesto pela União Nacional. “Os dirigentes do Solidariedade e da Força Sindical assinaram em peso o documento”, diz. “Então já havia uma certa identidade pela minha relação com com o movimento sindical, com os trabalhadores e pela questão nacional.”

Fonte: Carta Capital

PUBLICIDADE

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário