mercado de cambio opções binárias melhor modo de acertar opções binárias tipos de analise de investimento para operações no day trade forex trading with forex trading system course estrategia cor da vela opçoes binaria clm correrora de opções binárias planilha controle operações day trade trading channels forex pdf operando day trade horario office forex trading corporation opções binárias da mglu3 qual o limite para operar day trade com ações opçoes para investir 5 mil reais curso de opçoes binárias make money forex trading system quanto investe e quanto ganha um day trader por dia
Home Geral ‘Semideus’ no Brasil, Sergio Moro é derrotado na justiça da Europa

‘Semideus’ no Brasil, Sergio Moro é derrotado na justiça da Europa

Por Alagoas Brasil Noticias

Juiz Sergio Moro

A decisão da Justiça portuguesa de colocar em liberdade o empresário Raul Schmidt Felipe Júnior é mais uma derrota de Sergio Moro em cortes européias.

Moro já tinha sido derrotado pela Justiça espanhola, que negou no ano passado o pedido de extradição de Rodrigo Tacla Durán. 

PUBLICIDADE

Tacla Durán tem dupla nacionalidade. Nascido em São Paulo, é filho de espanhol e tem passaportes dos dois países. Raul Schimidt está na mesma condição em Portugal.

No caso de Tacla Durán, a Justiça da Espanha informou ao Brasil que, se a Justiça brasileira quiser processá-lo, que mande as provas para lá e, com base nas leis espanholas, julgará o ex-advogado da Odebrecht.

Só que Moro reteve o processo com ele, e na Espanha Tacla Durán não responde a nenhuma acusação. Segundo nota de Tacla Durán Durán pelo Twitter, nem vai responder.

Moro tem contra ele apenas depoimento de delator e o país europeu, escaldado com a deduragem no tempo da ditadura de Franco, não aceita delação como prova.

Precisa de algo mais, o que a Lava Jato não tem.

Imagine-se a repercussão que teria se o processo fosse enviado para lá e Tacla Durán fosse absolvido?

Ao segurar o processo, o juiz federal de Curitiba dá demonstração de que prefere não correr o risco.

A derrota de Moro na cor portuguesa é de outra natureza.

O juiz conseguiu fazer com que o Brasil enviasse, através do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Justiça, um documento que garante reciprocidade no caso da extradição de Raul Schmidt, acusado no Brasil de pagar propina a ex-diretores da Petrobras.

Só que essa é uma promessa que não pode ser cumprida, por razões constitucionais.

Para entregar Schmidt a Sergio Moro, o Brasil se comprometeu a entregar a Portugal brasileiros que fossem processados pela Justiça portuguesa. A Constituição do Brasil proíbe.

Foi por isso que a defesa de Schmidt recorreu ao Tribunal Regional da 1a. Região, em Brasília, para impedir a extradição. O TRF-1 acatou o pedido da defesa de Raul Schmidt. Mas Moro se recusou a cumprir a decisão, e decidiu que o pedido seguisse tramitando.

O que a Justiça de Portugal fez hoje foi dizer não a Moro. Aqui, o juiz de Curitiba desrespeita instância superior até que esta recue.

Foi assim com o Supremo, num caso sob relatoria de Teori Zavascki no início de 2014, e agora com Dias Toffoli, que não acatou o pedido para tirar de Moro o processo contra Lula sobre o sítio de Atibaia.

Em Portugal, é diferente.

A Justiça de lá se convenceu de que o Executivo brasileiro não podia prometer o que não pode cumprir.

Dane-se o que pensa Moro.

A defesa de Schmidt recorreu ao TRF-1 de Brasília porque o que está sendo contestado não é a decisão de Moro, que em tese responde ao TRF-4.

O que está sendo contestado é o papelucho dos Ministérios da Justiça e Relações Exteriores que foi enviado a Portugal, sem fundamento na Constituição.

O que está sendo contestado é um ato administrativo, com foro em Brasília. Mas Moro esperneou e, contrariado, mandou o Executivo em Brasília acatar sua ordem.

Brasília acatou. Mas Portugal não.

Vitória da lei, num país que se mantém nos trilhos da democracia.

Pena que não é mais assim no Brasil.

Foi o processo de Raul Schmidt que levou mais de 400 advogados a divulgar ontem um manifesto que acusa Moro de abuso de autoridade. Nessa queda de braços, estranhamente, o Conselho Federal da OAB continua de braços cruzados. Um advogado que assinou o manifesto diz que a entidade que, em tese, o representa está se comportando como linha auxiliar da Ajufe — a Associação dos Juízes Federais.

Fonte: Pragmatismo

PUBLICIDADE

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário