corretora de opçoes binarias gratis que tem a fibonacci completa opções binárias caltrin operar day trade nova futura passo a passo forex trading companies in uae como investir no trade como operar no meta trader 5 na binary meta trader 5 download para operar a bolsa brasileira trader como operar na bolsa pdf qual valor minimo para operar day trade scorpion trader investimentos o binary opções binárias é confiável qual é a melhor corretora para operar swing trade ganhar opções binarias 24h forex trading companies in uk trade investment kzn operação swing trade curto prazo opções binárias gerenciamento planilha
Home NotíciasPolitica TSE evita prejudicar candidaturas de Lula e de Bolsonaro

TSE evita prejudicar candidaturas de Lula e de Bolsonaro

Por Alagoas Brasil Noticias

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu não interferir, agora, na possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de se candidatar à Presidência da República nas eleições 2018. Na noite desta terça-feira (29), todos os ministros rejeitaram analisar o questionamento se réus em ações penais podem ou não concorrer e assumir um mandato.

Foram menos de cinco minutos para o TSE arquivar o pedido do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO), que fazia quatro perguntas ao Tribunal Eleitoral: se um réu em ação penal na Justiça Federal, ou seja, primeira instância, pode se candidatar à Presidência; se sim, caso eleito, se o candidato poderá assumir o mandato; o mesmo questionamento para casos de supostos crimes cometidos no exercício da Presidência da República em mandato anterior; e se também neste caso, se eleito, poderá assumir o posto.

Julgar estas quatro perguntas poderia impedir a candidatura de Lula, que foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, da primeira instância de Curitiba, e também pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), e de Jair Bolsonaro, alvo de outras ações penais em andamento no STF.

Mas foi justamente pelo poder de interferir em “casos concretos” e não se tratar de um julgamento generalizado, como havia defendido a Procuradoria-Geral da República, é que os ministros negaram colocar o tema para votação.

Antes mesmo de o TSE iniciar as falas sobre o caso, na noite de ontem, a área técnica do Tribunal já havia defendido que os questionamentos não fossem analisados, porque poderiam antecipar “ilação sobre situação concreta que somente poderá ser aferida na data ou após a realização do pleito eleitoral”.

“O pronunciamento do tribunal poderia incidir sobre casos concretos, antecipando entendimento em matéria a ser debatida apenas na apreciação de eventual pedido de candidatura”, afirmou, no início, o relator Napoleão Nunes. “Não convém responder a esse tipo de consulta porque estaríamos engessando a nossa própria atividade jurisdicional no momento próprio”, concordou Tarcísio Vieira.

Fonte: Jornal GGN

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário