curso trader operações mercdo de valores opções binárias fácil 2.0 weldes campos trade opere na bolsa como recolher o dartf nas operações de day trade plataformas para operar com trader mejor plataforma de trading forex ma opçoes binarias how do open a business for forex trading in australia nenhum bonus de deposito opções binárias o que é mercado de opções binarias opções binárias assunto colégio posso operar day trade todos os dias investir 100 reais em day trader day trade operando com o índice neturno trader esportivo operando em jogo long thanh investment and trade dev formas de investir fora day trader
Home Alagoas Sindicombustíveis ainda não sabe como será redução do preço do diesel na prática

Sindicombustíveis ainda não sabe como será redução do preço do diesel na prática

Por Alagoas Brasil Noticias

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Alagoas (Sindicombustíveis-AL), James Thorp, concedeu entrevista ao Portal TNH1 na tarde desta sexta-feira (1º) e destacou a atual situação dos postos de combustíveis, em Alagoas, após a paralisação dos caminhoneiros. 

Segundo ele, desde que foi aberto o porto de Suape, em Pernambuco, na última quinta (31), houve o aumento no fluxo do abastecimento em Maceió. Com as distribuidoras recebendo o produto, o problema de desabastecimento em alguns postos acontece por questão de logística de entrega.

“As distribuidoras estão empenhadas em restabelecer o fornecimento em todos os postos. Nós sabemos da carência em alguns locais, principalmente no interior, onde há a expectativa de combustível para as ambulâncias e transportes escolares, por exemplo. Acredito que até segunda ou terça-feira tudo será normalizado”, salientou.

Sobre a redução de R$ 0,46 do preço do litro do diesel, o presidente do sindicato relatou que ainda não sabe como será a ação na prática. “As próprias distribuidoras estão confusas e querem saber como a redução chegará para elas. Os postos ficam dependentes da redução por parte da distribuidora. Os postos não compram de refinarias, eles compram das distribuidoras. Há a dúvida se o posto conseguirá comprar mais barato das distribuidoras”, afirmou Thorp.

Por conta da crise, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) determinou a flexibilização da obrigatoriedade de adição de 10% de biodiesel no diesel A e de 27% de etanol anidro à gasolina, e os postos já receberam o produto mais caro na semana passada.

Ainda de acordo com Thorp, os postos recebendo o produto mais barato, naturalmente repassam para os consumidores com um preço mais baixo.

“Nós sabemos que aumenta o consumo. É bom para o posto e para a população. Mas para o posto repassar tem que ser uma coisa que realmente aconteceu. Há diversos fatores, por exemplo, o preço de pauta teve o aumento em R$ 0,22 em Alagoas. Traduzindo para efeito de custo, se você pegar R$ 0,22 e aplicar 18% do diesel, dá em torno de R$ 0,04. A distribuidora teve a oscilação dela para maior e provavelmente irá passar mais caro ao posto”, explicou.

PUBLICIDADE

O presidente do sindicato admite que a conta dos postos é saber quanto eles vão receber em relação ao dia 21 de maio, período em que teve início a paralisação dos caminhoneiros.

“A orientação é pegar uma nota de compra desse período e pegar outra nota faturada a partir do dia 1º de junho, e assim, observar essa redução para tentar repassar ao consumidor. Nós não temos qualquer tipo de ingerência ou influência no preço. O proprietário do posto tem o poder de analisar e decidir qual método vai usar em relação a isso, a sua manobra. O preço é livre e cada revendedor coloca o valor por decisão própria”, disse.

Fonte: Por TNH1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário