faca dinheiro com opcoes binarias: a estrategia das calendas opções binárias uma entrada no dia opções binárias 2015 forex trading signals strategy assinar um robot day trader pronto para investir operação short trade poloniex opçoes binarias touch iron forex trading modalmais operação trader opções binárias a chave do sucesso active trades 70 encerra as operações forex trading canada onde é operado o day trade montar robo para opções binárias mt4 opçoes binarias qual melhor investir iq option opcoes binarias empresas foruns sobre candles opções binárias
Home Municípios Justiça determina fechamento do matadouro de Porto Calvo

Justiça determina fechamento do matadouro de Porto Calvo

Por Alagoas Brasil Noticias

O juiz João Paulo Martins da Costa determinou o fechamento e a imediata paralisação das atividades do matadouro público de Porto Calvo. Em caso de descumprimento, o município poderá pagar multa diária no valor de R$ 10 mil.

“Para além de estar atuando de forma clandestina, considerando não haver qualquer registro junto aos órgãos de fiscalização, a estrutura e as práticas adotadas no matadouro não observam as mínimas condições higiênico-sanitárias que se esperam de um estabelecimento deste porte”, afirmou o magistrado, que designou audiência entre o município e o Ministério Público para esta quarta-feira (6), às 10h, no Fórum da Comarca.

O matadouro de Porto Calvo fica às margens do Rio Manguaba e comercializa carne bovina para diversas cidades da região norte do Estado, como Matriz de Camaragibe, São Luís do Quitunde, Porto de Pedras, Barra de Santo Antônio e Jundiá. Segundo o MP/AL, no local existe um verdadeiro “caos sanitário”, trazendo risco à saúde dos trabalhadores e do restante da população.

Na ação, o órgão ministerial afirma ainda que não consta registro do matadouro no Serviço de Inspeção Sanitária. Ressaltou também que o local foi considerado inadequado nos relatórios técnicos da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal).

“Dentre as inúmeras irregularidades encontradas, pode-se citar o fato de o abate dos animais ser realizado através de método de séculos há muito já superado e combatido, as carnes serem armazenadas de maneira inapropriada e sem qualquer proteção no chão do matadouro, os responsáveis pelo trato da carne não utilizarem quaisquer vestimentas ou utensílios adequados à higiene pessoal, os restos de carcaça serem enviados para o lixão e outra parte para o rio da região, sem qualquer tratamento, assim como a presença de outras espécies de animais no entorno do estabelecimento”, explicou o juiz João Paulo Martins da Costa, titular da 2ª Vara da Comarca.

O magistrado concluiu: “Ante a situação encontrada, mostra-se inviável a manutenção das atividades do matadouro, visto que, se assim não fosse, estar-se-ia permitindo não só o desenvolvimento do comércio de carnes de forma contrária a todas as normas a ele aplicadas, como, o mais grave, a sujeição da população deste município e de toda a região circunvizinha a constante e indefinido risco à saúde”.

Fonte: TNH1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário