forex trading forum uk desenho de trader operando estrategias para opções binarias tem como viver de opções binarias qual o momento certo de investir na olymp trade workshop opçoes binarias forex trading practice app video estratégias opções binárias conhecimento é tudo a2 trader vale a pena investir como investir no olymp trade estrategias aula presencial de opçoes binarias operar bebe abandonado trade day trade nove zero importância do simulador para opçoes binarias opçôes binarias microempresa para investimentos em trade como investir em day trade livro apresentação investimento trade
Home Municípios Justiça nega liberdade a acusado de envolvimento na morte de Tony Pretinho

Justiça nega liberdade a acusado de envolvimento na morte de Tony Pretinho

Por Alagoas Brasil Noticias

O desembargador Sebastião Costa Filho, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), negou, liminarmente, pedido de liberdade a André Souza Santos, acusado de envolvimento na morte do vereador Tony Carlos Medeiros, o Tony Pretinho. A decisão foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico dessa terça-feira (5).

PUBLICIDADE

O crime ocorreu em dezembro de 2017, no município de Batalha. De acordo com o Ministério Público (MP/AL), a vítima foi baleada nas costas e na cabeça, vindo a falecer. Mais de 15 tiros foram desferidos.

André Santos, ainda segundo o MP/AL, teria ficado responsável pelo monitoramento da rotina do vereador. Ele foi denunciado no dia 11 de maio deste ano, junto com José Márcio Cavalcanti de Melo e Thiago Mariano Tenório. O crime teria ocorrido porque suspeitavam do envolvimento de Tony Pretinho na morte do também vereador “Neguinho Boiadeiro”, pai de José Márcio.

A defesa de André Santos impetrou habeas corpus, com pedido liminar, objetivando a soltura do réu. Sustentou não haver provas suficientes da participação dele no homicídio. Alegou ainda que o acusado foi forçado pela polícia a confessar o crime.

A liminar, no entanto, foi indeferida. De acordo com a decisão, há relatos de que o réu esteve nas redondezas da casa da vítima no dia do assassinato. “Registre-se ainda que a juíza de primeiro grau, ao decretar a prisão preventiva, fez referência a conversas no aplicativo Whatsapp, nas quais os denunciados planejaram a execução da vítima”, afirmou o desembargador.

Ainda segundo Sebastião Costa Filho, a prisão preventiva do réu foi decretada levando em conta a garantia da ordem pública, a aplicação da lei penal e a conveniência da instrução criminal, baseando-se também na gravidade do crime e no modo como foi praticado.

Fonte: Dicom do Tribunal de Justiça de Alagoas / Texto: Diego Silveira

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário