curwo de opções binárias swing trade de opções é considerado operações comuns monitor opçoes binarias ativos de opções binarias operar no trade tem que realuzar no dia a three dimensional approach to forex trading pdf download opções binárias campinas sp açoes para operar day trader buyout opções binárias operação day trade horarios4 como funcionam as opçoes binarias curso curinga econômico opções binárias reclame aqui is forex trading profitable reddit iq option opcoes binarias como investir na bovespa trader video opções binárias é uma farsa sentry robot forex trading
Home Brasil Para ministro do TCU, decisão de Moro de vedar uso de provas da Lava-Jato é ‘carteirada’

Para ministro do TCU, decisão de Moro de vedar uso de provas da Lava-Jato é ‘carteirada’

Por Alagoas Brasil Noticias

O ministro do TCU Bruno Dantas critica decisão de proibir o uso de provas da Lava-Jato contra delatores e empresas – Ailton de Freitas/ Agência O Globo

Após o juiz Sergio Moro proibir o uso de provas da Lava-Jato contra delatores e empresas que assinaram acordos de leniência com a força-tarefa em Curitiba, o Tribunal de Contas da União (TCU) reagiu à decisão. Numa raríssima crítica pública ao magistrado, oriunda de uma autoridade de um órgão de controle, o ministro do TCU Bruno Dantas chamou de “carteirada” a decisão de Moro. Em entrevista ao GLOBO, afirmou que somente o Supremo Tribunal Federal (STF) pode retirar do TCU as provas compartilhadas pela Lava-Jato dois, três anos atrás.

“Se estamos falando de cooperação, não pode haver espaço para uma carteirada de um dos atores que está na mesa de discussão. Alguém pretender dizer: ‘Olha, esse elemento de prova é meu e ninguém pode usar.’ Não é assim que se age no Estado de Direito”, afirmou o ministro do TCU.

Dantas é relator no tribunal de processos que apuram superfaturamento nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ). Por fraudes em licitações, o TCU declarou a inidoneidade de quatro empreiteiras e sobrestou a punição a outras três que assinaram um acordo de colaboração em Curitiba: Odebrecht, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez. A ideia era buscar um entendimento com a força-tarefa da Lava-Jato, de forma a permitir ressarcimentos ao erário que superem os valores definidos nos acordos de leniência assinados entre as empresas e o Ministério Público Federal (MPF).

Fonte: O Globo

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário