melhor aplicativo para operar com swing trade investir no trade opções binárias estrategia tendencia como operar trade 365bet como operar day trade com robo pela xp investimentos qual o melhor site de opcoes binarias operações day trade cobram por ordem imediata best forex trading tools pnt fast trader manual do operador parabolic sar opções binárias como acessar a minha carteira de investimentos trade map trade the price action forex trading system download meta trader como operar clm opçoes binarias forex só perdi dinheiro com opções binarias como operar day trade metatrader 5 clear como operar o mini indices day trade
Home Geral “A LEI É CLARA” Penas restritivas de direitos devem esperar trânsito em julgado, decide Laurita

“A LEI É CLARA” Penas restritivas de direitos devem esperar trânsito em julgado, decide Laurita

Por Alagoas Brasil Noticias

Penas restritivas de direitos devem esperar o trânsito em julgado da condenação, decidiu a ministra Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça. Ela usou o entendimento para conceder Habeas Corpus para liberar um réu de prestar serviços comunitários depois da decisão da segunda instância.

Lei de Execução Penal é clara quando diz que penas restritivas de direito devem esperar trânsito em julgado da condenação, diz ministra Laurita Vaz ao conceder HC.

José Roberto/SCO/STJ

Com a decisão, Laurita cassou despacho do Tribunal de Justiça de Santa Catarina que havia determinado o imediato cumprimento da pena. A corte havia entendido que, se a pena de prisão pode ser executada depois da segunda instância, as restrições de direitos também podem.

Mas, de acordo com a ministra Laurita Vaz, o Supremo Tribunal Federal apenas liberou a execução imediata de penas restritivas de liberdade, e não de direitos. No último caso, vale o artigo 147 da Lei de Execução Penal. “O dispositivo é claro ao exigir trânsito em julgado para o início do cumprimento da decisão. Além disso, a jurisprudência do STF permite a execução antecipada de pena restritiva de liberdade, mas não amplia o entendimento para sentenças restritivas de direitos”, escreveu Laurita,na decisão.

A ministra citou, ainda, decisão da 3ª Seção do STJ, que definiu, em junho, não ser possível a execução da pena restritiva de direitos após condenação em segunda instância devido à ausência de manifestação expressa do Supremo nesse sentido.

Fonte Conjur

 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário