plataforma para operar no day trade facebook opçoes binarias cursos para investimentos trader blogspot torrent e mega trade investir simulador tiago abrantes opçoes binarias opçoes binarias fora do horario opções binárias ports trader insta leo trader investing capital robôs de negociação opções binárias em português preco por operação trade o que é corretora de opçoes binarias best months for forex trading operar swing trade graficos opções binárias trackid sp-006 opções binárias xp robot trading forex fimathe download operação em day trade
Home NotíciasEsportes Éboli condena simulações: “Falta mais compromisso com o espetáculo no Brasil”

Éboli condena simulações: “Falta mais compromisso com o espetáculo no Brasil”

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Portal mídia esporte

A cera no futebol brasileiro voltou a ser assunto na retomada do Brasileirão. No “Redação SporTV” desta quinta-feira, os comentaristas debateram o artifício utilizado pela maioria dos clubes nacionais. Carlos Eduardo Éboli, da Rádio CBN, destacou as simulações de Romero, atacante do Corinthians, contra o Botafogo.

PUBLICIDADE

– Em momentos da partida é preciso saber ser malandro, usar o contato físico a seu favor. Futebol tem muito de jogo emocional, provocação, saber desequilibrar o adversário. Mas simulação constante não ganha jogo, prejudica o time, faz ele (Romero) ganhar cartão amarelo. Hoje, a fiscalização é muito mais fácil. São muitas câmeras. Detecta o ator com muita mais facilidade e ele fica manjado – comentou o jornalista,que acrescentou:

– Falta ao futebol brasileiro um maior compromisso com o espetáculo. Nas principais ligas do mundo, a valorização é diferente. Os melhores jogadores optam por jogar bola. Nossos jogadores tentam ainda usar outros instrumentos. O excesso de simulação cansa.

– O futebol tem lugar para o ator, sempre teve. A gente sabe que isso funciona. Quando o jogador fica marcado por isso é óbvio que ninguém vai deixar passar, tem que dar o amarelo na primeira e cortar. Aí eu acho que o juiz precisa ser ativo e coibir. Jogadores que simulam ficam marcados por isso.

Dos cinco jogos desta quarta, a partida no Maracanã foi a que teve o menor tempo de bola rolando: 48 minutos e 52 segundos. Como comparação, a vitória do Grêmio contra o Atlético-MG contou com 63 minutos e 42 segundos de bola rolando.

A média total do Brasileirão até o momento, após 124 partidas, é de 54 minutos e 26 segundos com a bola em jogo. Na Copa do Mundo, a média foi de 56 minutos e 55 segundos.

Fonte: Sport/ Globo esporte

 

PUBLICIDADE

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário