Home NotíciasEconomia Novo valor do mínimo não agrada trabalhadores

Novo valor do mínimo não agrada trabalhadores

Por Alagoas Brasil Noticias

Rocha explica que correção se dá pela inflação do ano anterior mais a variação do PIB dos dois anos anteriores (Foto: Jonathan Canuto)

A tão esperada ruptura dos R$ 1.000 pelos trabalhadores acabará ocorrendo apenas em 2020. É que o primeiro decreto do presidente empossado Jair Bolsonaro definiu o salário de 2019 em R$ 998 – o atual valor é de R$ 954. A medida foi publicada no Diário Oficial da União no final da tarde da última terça-feira (1º).

Este valor é R$ 8 abaixo do que foi definido pelo Congresso Nacional quando aprovado o Orçamento da União, no dia 19 de dezembro de 2018, onde naquela ocasião, senadores e deputados haviam colocado o valor dos vencimentos mínimos em R$ 1.006.

“Não foi o que imaginava. Como já havia o boato que seria em torno de R$ 1.005 a R$ 1.008 fiquei surpreso. Agora, vamos ter que continuar apertando os gastos. Alguns planos vão ter que esperar mais um pouco”, comenta o atendente Weslley Santos.

“Existe essa política de revisão ou correção. A gente tem apenas que aceitar, nem todo mundo entende como funciona esses cálculos”, salienta o vendedor Marcos da Silva Correia.

Nas redes sociais os trabalhadores também manifestaram seu descontentamento em relação ao valor anunciado. “Vida digna com esse aumento tem como?”, questiona um internauta.

O economista Felippe Rocha, da Federação do Comércio do Estado de Alagoas (Fecomércio/AL), lembra que existe uma regra para a política de valorização do salário mínimo. Sendo assim, a correção se dá pela inflação do ano anterior mais a variação do PIB [Produto Interno Bruto] verificada nos dois anos anteriores.

“Essa política foi estendida até 2023 pelo senador Lindbergh Farias. Como leva em conta a inflação, se acaso ela encerrará o ano menor do que o esperado, o cálculo deve ser de fato reprogramado para não ocorrer valorização reais acima do esperado e não promover gatilhos inflacionários nos anos subsequentes”, explica Rocha.

Quantia é usada como referência para benefícios assistenciais e previdenciários

 

O decreto do novo presidente também coloca os valores diários do salário mínimo (R$ 33,27) e horários (R$ 4,54).

O salário mínimo é usado como referência para os benefícios assistenciais e previdenciários. A partir de agora, Bolsonaro tem até o dia 15 de abril para decidir se mantém a regra ou se muda.

Mas, caso continue com a regra atual, o mínimo tem que ser corrigido pela inflação do ano anterior, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no Brasil), dos dois anos anteriores.

Este foi o menor aumento desde que a nova política de Inflação/PIB foi implantada.

Os ministérios da Fazenda e do Planejamento informaram que o valor do mínimo foi revisado para cima porque a estimativa de inflação pelo INPC em 2018 passou de 3,3% para 4,2%. O INPC mede a variação de preços das famílias mais pobres, com renda mensal de um a cinco salários mínimos. Alguns Estados, como Rio de Janeiro e São Paulo, têm valores diferenciados para o salário mínimo, acima do piso nacional.

Fonte: Tribuna Hoje 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário