Municípios

MPE recomenda que município de Igreja Nova faça estudo de impacto antes de obra

Recomendação é que audiência pública também seja realizada antes de trabalhos na Praça Multieventos | Por Redação, com Ascom MPE | 17/07/2019 | 12h36

MPE recomenda que município faça Estudo de Impacto de Vizinhança

FOTO: DIVULGAÇÃO

 
 

O Ministério Público Estadual de Alagoas (MP/AL) expediu uma recomendação para que a Prefeitura do município de Igreja Nova, no interior do estado, se abstenha de realizar a obra da Praça Multieventos enquanto não for elaborado o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e não acontecer a audiência pública destinada a discutir tal serviço. 

A referida praça seria construída próximo a uma escola e a uma unidade de saúde.

De acordo com o promotor de justiça Paulo Henrique Prado, o estudo de impacto de vizinhança (EIV) é um instrumento essencial na defesa dos direitos previstos no Estatuto da Cidade, que “decorre justamente da determinação constitucional de tutela do meio ambiente urbano”.

“Explicamos, na recomendação, que o EIV é o documento técnico exigido para a concessão de licença e autorizações para construções ou atividades que possam afetar a qualidade de vida da população que reside na área ou na proximidade do empreendimento”, explicou ele.

Segundo a recomendação, o EIV também visa atenuar os conflitos de uso e ocupação do solo, criando uma possibilidade de intermediação entre os interesses dos empreendedores urbanos e da população diretamente impactada.

Além disso, o Ministério Público lembra que, enquanto o estudo de impacto ambiental é exigível somente nos casos em que haja, potencialmente, significativa degradação do meio ambiente, o EIV precisa existir em qualquer caso, independentemente da ocorrência ou não de considerável impacto de vizinhança.

Audiência pública

A recomendação também chama atenção para a necessidade da realização de consulta à população: “para garantir a gestão democrática da cidade, deverão ser utilizados, entre outros, o instrumento de debates, audiências e consultas públicas”, diz um trecho do documento.

Por fim, a Promotoria de Justiça de Igreja Nova lembra que, de acordo com o art. 2º da Lei 10.257/2001, a oferta de equipamentos urbanos e comunitários, transporte e serviços públicos adequados ao interesse e necessidade da população e às características locais deve integrar as diretrizes da política urbana. Além disso, o município também deve possuir plano diretor, aprovado por lei.

Fonte: Gazeta web

Facebook Comments

Artigos relacionados

Fechar