Alagoas

Número de casos de estupros cai 52,9%

11 de setembro de 2019 | 08:22 | Dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública apontam que Alagoas teve 688 registros em 2018 contra 1.485 em 2017

(Foto: Ilustração)

Alagoas é o sétimo estado do país que mais diminuiu os casos de estupros e tentativas do crime em 2018. Segundo dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública ontem (10), a redução foi de 52,9%. Quando comparado aos casos registrados em 2017 (1.485) e os de 2018 (688).
O estado também diminuiu os casos de estupros quando a vítima era somente mulheres; em 2017 foram 830 vítimas, e ano passado foram 587. As tentativas de estupro também registram redução. Segundo o estudo em 2018 foram 60 tentativas, já em 2017 foram 127.

Para Maria Silva, secretária da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), as ações integradas dos órgãos são essenciais para redução deste tipo de crimes. “Independente dos números, acreditamos que as campanhas educativas, aliadas ao acesso à informação sobre a Lei do Minuto Seguinte, a oferta de serviços como a RAVS [Rede de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual], que também oferece o suporte para denúncia do estupro, do agressor e, dessa forma, agilizam a formalização do processo. Tudo isso se soma à posição do Governo do Estado e da Secretaria de Segurança Pública, em priorizar as prisões em crimes caracterizados pela violência contra a mulher, incluindo o feminicídio, que são fatores que contribuem para inibir a ação desse tipo de crime’’, avalia Maria Silva.

BRASIL
Já quando se tratar do recorte nacional, em 2018, o Brasil registrou recorde de estupros. Foram 66.041 vítimas. O crime é um dos poucos que tiveram aumento no ano passado, quando as mortes violentas caíram 10,8% no país. A taxa brasileira de estupros é de 31,7 por 100 mil habitantes, acima da taxa de mortes violentas, que ficou em 27,5 em 2018.

No início da série histórica, em 2011, o país teve 43.869 casos de estupro. Mas, dessa época para cá, o índice foi de aumento de 50,5% nos registros. Comparando 2017 para 2018, a variação foi de 4,1%. Quando são considerados só os casos com vítimas mulheres, o aumento vai a 5,4%.

‘‘O estupro é uma violência sexual circunscrita por manifestações abusivas de poder e marcadores de gênero. Logo, não se trata de uma expressão de um tipo de sexualidade brutalizada ou desenfreada, mas de uma forma de dominação. De acordo com os registros de estupro e estupro de vulnerável dos anos de 2017 e 2018, 81,8% das vítimas eram do sexo feminino, o que evidencia a desigualdade de gênero como uma das raízes da violência sexual”, diz estudo feito por pesquisadoras do Fórum a partir de microdados do anuário.

De acordo com o estudo, a maior parte dos estupros que ocorre no país é o de vulnerável, ou seja, contra crianças menores de 14 anos ou pessoas com doenças ou deficiência mental que não têm discernimento para a prática do ato e que não podem oferecer resistência, nestes casos são 63,8%.

Fonte: Tribuna Hoje

Facebook Comments

Artigos relacionados

Fechar