Home Brasil Ato no Rio de Janeiro cobra resposta sobre quem mandou matar Marielle

Ato no Rio de Janeiro cobra resposta sobre quem mandou matar Marielle

Por Alagoas Brasil Noticias

Manifestantes também se reuniram em São Paulo e Brasília e pediram respostas sobre o crime | FOTO: RAONI ALVES/G1

Para cobrar investigações sobre quem mandou matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, diversos manifestantes se reuniram em um ato no Centro do Rio de Janeiro, no fim da tarde desta sexta-feira (1º).

Os manifestantes se reuniram em frente a Câmara dos Vereadores e exibiam faixas e cartazes, além de acender velas. Além de pedir solução para o crime, os manifestantes também criticavam as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro sobre o AI5 e pediram sua cassação.

Nesta quinta, manifestantes também se reuniram em São Paulo e Brasília e pediram respostas sobre o crime.

Mônica Benício, viúva de Marielle, também participou do ato. No carro de som ela discursou e pediu uma resposta para o crime.

“O Estado brasileiro merece uma satisfação. Não há democracia no Brasil se o estado brasileiro não responder quem mandou matar Marielle. Toda e qualquer pessoa que tiver envolvimento com a morte de Marielle deverá ser investigada, seja ocupante de uma cadeira no Vaticano ou da cadeira da Presidência da República”.

A mãe da vereadora, Marinete Silva, falou sobre o sofrimento da família que acompanha todos os passos da investigação.

“Estar aqui com todos vocês é o que a gente mais precisa. Somos uma família dilacerada. A cada envolvido que aparece nesse caso é mais sofrimento pra família. Eu estou carregada de dor. São 600 dias da morte da minha filha e não sabemos que mandou matar. A morte de Marielle sem um motivo aparente é triste. Não podemos deixar de pedir Justiça pra ela. E não é só pra ela. São muitas mães sem resposta pelas mortes de seus filhos.”

Vereadores e deputados estaduais e federais do PSOL também participaram do ato público que terminou por volta das 20h.

Afastamento de promotora

Também nesta sexta, a promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho pediu o afastamento das investigações do Ministério Público do Rio (MPRJ) sobre a morte de Marielle e Anderson, em 14 de março de 2018.

Carmen Eliza pediu para deixar o caso após a repercussão de posts em redes sociais que mostram ela apoiando a campanha do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro, em 2018. A informação foi confirmada pelo MP e pela própria promotora, em carta aberta.

A Corregedoria-Geral do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro instaurou procedimento para análise das postagens de Carmen.

Na noite de quinta-feira (31), a cúpula do MP no Rio de Janeiro se reuniu para pedir o afastamento. A TV Globo apurou que o encontro teve momentos tensos. O afastamento de Carmen Eliza era dado como certo, mas a promotora se recusou a sair do caso ? é prerrogativa dos membros do MP decidir em quais investigações desejam atuar.

No fim da tarde desta sexta, a saída foi confirmada. Em nota, o MP disse que “reconhece o zeloso trabalho” da promotora, “que nos últimos dias vem tendo sua imparcialidade questionada (…) por exercer sua liberdade de expressão como cidadã”.

A promotora Carmen Eliza também divulgou um texto, no qual diz que a “liberdade de expressão deve ser respeitada”, que “um promotor não perde seu direito de cidadão” e que, em 25 anos de carreira no MP, “jamais” atuou sob “qualquer influência política ou ideológica”

De acordo com o Ministério Público, os pais de Marielle, Marinete da Silva e Antônio Francisco da Silva, e a viúva de Anderson, Agatha Arnaus Reis, defenderam a permanência de Carmen Eliza à frente do processo penal.

Promotora participou de coletiva

O MP diz ainda que Carmen Eliza foi escolhida para o caso por “critérios técnicos” pela sua “incontestável experiência” e pela “eficácia comprovada de sua atuação em julgamentos no Tribunal do Júri”.

A promotora foi uma das três do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que participou de uma entrevista coletiva sobre o caso na quarta-feira (30). Na ocasião, elas afirmaram que um áudio provava que o ex-PM Élcio de Queiroz, preso pelas execuções de Marielle e Anderson, teve sua entrada no condomínio Vivendas da Barra, horas antes do crime, liberada pelo PM reformado Ronnie Lessa, o outro preso pelos assassinatos.

Segundo as promotoras, o áudio contradiz o que um porteiro que estava na guarita do condomínio afirmou em dois depoimentos. Segundo o porteiro, ao chegar, Élcio disse que ia para a casa 58, que pertence a Bolsonaro ? Ronnie mora na casa 65. Disse também que, ao interfonar, um homem que ele identificou como o “Seu Jair” liberou a entrada.

O então deputado Jair Bolsonaro estava em Brasília e marcou presença em duas votações na Câmara dos Deputados, em horários muito próximos ao da chegada de Élcio ao condomínio ? por volta das 17h10. Portanto, segundo a investigação, não poderia estar no condomínio e ter atendido o interfone.

Por citar o presidente, o caso foi levado ao Supremo Tribunal Federal.

Nas redes, a promotora também aparece ao lado do então candidato a deputado estadual pelo PSL, Rodrigo Amorim, que ficou conhecido por quebrar uma placa em homenagem a Marielle Franco durante um comício

Fonte: G1


Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário