gráfico com opções binárias passo a passo opções binárias forex trading cashback operar day trade celular curso trader automatizar opções binárias meilleur plateforme de trading forex tabela a2 trader investimentos altos quantos anos existe opções binárias quando fecha operação day trade investir em ações day trade auto forex trading robo alfa matador opções binárias baixar estratégia de opções binárias trader clube investimento ludwick xp investimentos plataformas trader estratégias em opções binarias aprendersobre opções binárias
Home Ciência e Tecnologia Se o celular pifar, o que devemos fazer?

Se o celular pifar, o que devemos fazer?

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Arquivo/Aniele Nascimento/Tribuna do Paraná.

Viver sem celular nos dias de hoje é tarefa praticamente impossível, já que por intermédio desse pequeno aparelhinho trabalhamos, nos relacionamos, nos divertimos e, claro, fazemos também ligações.

E virou, mexeu, esse “gadget”, tão presente em nossas vidas, dá defeito. E a questão é o que fazer nesse caso, ou seja, qual o direito do consumidor. Levar para o conserto, exigir a troca do produto ou a devolução do preço pago? A resposta não é fácil.

De regra, o Código do Consumidor estabelece que, sempre que o produto comprado apresentar defeito, o consumidor deve levá-lo até a assistência técnica que tem o prazo de até trinta dias para consertar. Se não o fizer, aí sim é direito do cliente exigir a troca ou devolução da quantia paga.

Mas a lei prevê também as exceções. O produto essencial é um deles, ou seja, nesses casos, o consumidor não precisa esperar os trinta dias, podendo de imediato exigir a troca do produto por outro. É o caso de medicamentos ou quaisquer outros produtos que digam respeito à segurança ou saúde do consumidor.

Quanto ao celular, a questão é controversa, pois até no poder judiciário podemos encontrar decisões para os dois lados, algumas delas inclusive entendendo que essencial é o serviço de telefonia e não o aparelho.

De qualquer modo, o consumidor terá que passar pela assistência técnica. É preciso pontuar também que muitas delas acabam sanando o defeito em prazo muito inferior aquele previsto na lei, o que na prática resolve o problema.

É importante, todavia, que o consumidor exija a ordem de serviço, pois se, o defeito aparecer, aí sim tem direito à troca do produto.

Fonte: Tribuna PR 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário