compra e venda no dolar operações trader operação em duas corretora é day trade como iniciar em opcoes binarias day trade operações no mesmo dia tabela para metas de opções binárias como operar day trade mini dolar no meta trader 5 forex trading estratégia gratis sure fire forex trading opcoes binarias europa estrategia rsi mma em opçoes binarias iq option estratégia facebook opções binária s como operar 5 minutos em opções binárias robo meta trader 5 opera inverção de média mercado de opções binárias no brasil curso opções binárias download torrent curso de trader opções binarias como operar alavancado swing trade clear
Home NotíciasEsportes Grupo dono da Centauro compra Nike do Brasil por R$ 900 milhões

Grupo dono da Centauro compra Nike do Brasil por R$ 900 milhões

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Getty

O grupo SBF, controlador da varejista de artigos esportivos Centauro, tornou-se o dono da operação da Nike no Brasil após fechar ontem um acordo no valor de R$ 900 milhões, informou a companhia nesta quinta-feira.

Com a transação, o SBF adquiriu o capital social da Nike do Brasil, excluindo direitos, como propriedade intelectual. A companhia brasileira passa a ser responsável, de forma exclusiva, pela distribuição, política comercial, vendas, gestão das lojas, entre outras aspectos, por 10 anos, podendo ter o prazo renovado. A Nike é a maior marca esportiva do mundo, superando Adidas.

O valor de R$ 900 milhões envolve a aquisição do capital de giro (incluindo estoque) da empresa. O acordo inclui a gestão do negócio de comércio eletrônico da Nike no país e das lojas da Nike. No Brasil, são 24 lojas Nike Factory e cerca de 15 lojas de parceiros.

Em entrevista ao Valor, o comando da SBF disse que haverá pagamentos de royalties à matriz da empresa nos Estados Unidos. Por cinco anos, o SBF poderá abrir lojas da Nike no país — o prazo é renovável.

Na prática, foram dois contratos fechados, um envolvendo a aquisição e outro, relativo à toda atividade local. O SBF criará uma unidade de negócio separada da Centauro para essa operação, disse Pedro Zemel, diretor-presidente do SBF.

A intenção com isso é manter os negócios independentes, mantendo regras de governança corporativa entre as atividades e a autonomia nas decisões, afirma ele. A Nike continuará com uma sede separada, em São Paulo.

A Centauro, assim como outras varejistas concorrentes, passarão a comprar do SBF os produtos da Nike, e o SBF fechará acordos comerciais com a Centauro, assim como com outras cadeias concorrentes da Centauro.

“Teremos governanças separadas. Todos os contratos anteriores com varejistas estão mantidos. Com a Nike começamos a montar uma operação maior do grupo SBF, para criar uma plataforma de negócios esportivos, que vai além de ser uma rede varejista do setor”, disse Zemel.

Negociações que envolvem o braço digital da Nike são algo inédito entre os acordos semelhantes que a fabricante fechou pelo mundo, disse ao Valor Alfonso Bueno, principal executivo da Nike no Brasil.

Em cerca de 100 países (entre os 180 em que a Nike está) uma outra empresa administra a operação local, e a Nike produz em suas unidades e vende à empresa parceira. Mas nesses contratos não está incluído o comércio eletrônico, como acertado com o SBF.

Seleção brasileira

Ficou fora da transação acordos globais de marketing, como com atletas da seleção brasileira de futebol e com a CBF. Para isso, a Nike manterá uma estrutura local. Já os contratos da Nike com times brasileiros fazem parte do acordo com o SBF.

A receita líquida da Nike atingiu cerca de R$ 2 bilhões em 12 meses encerrados em maio de 2019. O acordo aumenta a receita líquida anual da SBF em cerca de 70%, apurou o Valor. O Valor ainda apurou que o operação é lucrativa e a SBF não carregará dívidas da Nike para seu resultado.

Parte dos R$ 900 milhões virão de linhas já garantidas com Santander, Itaú BBA e Bradesco BBI. A transação entra no balanço da SBF no terceiro trimestre.

A transação não foi fechada considerando múltiplos de lucro operacional, como em operações tradicionais de fusão e aquisição. Até porque, pelo acordo, a Nike pode recomprar a operação do SBF ao fim do prazo. Se fosse considerar esses múltiplos, o valor seria maior que os R$ 900 milhões, diz fonte.

“Isso ocorreu porque não é um ‘M&A’ [merger & acquisition] tradicional. A preocupação da Nike é como a marca será gerida aqui. Mas é bom lembrar que também há pagamentos de royalties para a empresa”, afirma uma segunda fonte. Normalmente, royalties de marcas estrangeiras no país chegam a 6% das vendas. A empresa não informa a taxa.

Fonte: Yahoo Finanças  

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário