trader lucrativo xp investimentos oficial investir em a livro trade investir iniciante viver de trade investimento minimo que horas operar day trade opçoes binarias corretiras best forex broker for trading gold opções binárias robo criar confluencias opções binárias forex trading using fibonacci and elliott wave todd gordon pdf trader btc investing investimento trade esportivo einstein opções binárias opções binárias ondas de eledge wikipedia operar em opções binárias é legalizado no brasil otimas opçoes de investimento em canto grande pior dia para operar day trade download planilha gerenciamento de risco para opções binárias
Home NotíciasPolitica Polícia abre inquérito para investigar denúncia de racismo contra professora

Polícia abre inquérito para investigar denúncia de racismo contra professora

Por Alagoas Brasil Noticias

Professora alvo de racismo dentro de escola particular

FOTO: REPRODUÇÃO/TV GAZETA

A Polícia Civil de Alagoas (PC/AL) vai abrir inquérito para investigar a denúncia de racismo contra uma professora de uma escolar particular no bairro do Trapiche da Barra, em Maceió. O crime ocorreu na terça-feira (4) e teria sido praticado pela diretora e proprietária da unidade de ensino, Suely Oliveira. A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas (OAB/AL) também vai acompanhar o caso.

“A vítima será ouvida, vai indicar pessoas que presenciaram o fato ou tomaram conhecimento e, posteriormente, é chamada a autora para ser indiciada, e relatado o inquérito para ser encaminhado à Justiça”, explica a delegada Maria Tereza Ramos.

A OAB vai acompanhar a investigação, por meio da Comissão de Igualdade Social. Segundo a Comissão, somente este ano, foram registrados três casos de racismo. Já entre os anos de 2016 e 2019, foram 28 casos. 

“Esse caso não se trata de injúria racial, que seria por meio de um termo circunstanciado, mas é um caso típico de racismo”, afirma o presidente da Comissão, Alberto Jorge.

A professora Taynara Silva conta que o fato ocorreu dentro da sala de aula e na frente dos alunos.

“Ela entrou na minha sala, sem pedir licença, e começou a falar que eu seria a culpada pelo filho dela, que é do setor administrativo, ter batido o carro. Os alunos questionaram e ela disse que eu, no dia 3, teria conversado com o filho dela pelo WhatsApp e, por isso, ele bateu o carro. Um aluno levantou, fez voz, dizendo que, na verdade, ele estava errado, já que ele não deveria usar o celular enquanto dirigia”.

O filho da diretora amenizou o ocorrido e disse que tudo não passou de um mal entendido. “Um mal entendido onde muitas pessoas tenham se sentido ofendidas. A gente pede perdão se essas pessoas se sentiram ofendidas”, afirmou Matheus Oliveira.

Segundo dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Alagoas é o 5º estado do Nordeste com o maior número de registros de ofensas racistas e  preconceituosas.

O caso

A professora, que dá aulas de Redação desde 2017 na escola, foi confrontada pela diretora Suely Dias, com afirmações de cunho racista, ao dizer que, “se alguns dos alunos [que estavam presentes em sala] fossem a Ouro Branco, trouxessem um chicote ‘do bom’ para fazer a professora lembrar do tempo que ela tanto teme”.

A professora é conhecida pelos seus trabalhos contra o racismo. Em sua rede social, é possível ver que a mesma promoveu projetos de combate ao racismo no próprio colégio em que o episódio ocorreu.  

Fonte: Gazeta Web 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário